Todos nós temos episódios de ansiedade de vez em quando. Na verdade, a resposta de ansiedade é naturalmente conectada ao nosso cérebro – que é mais comumente referido como reação de “luta ou fuga”.

Biologicamente, o mecanismo de luta ou fuga é bastante fascinante: No curto prazo, a ansiedade aumenta sua frequência respiratória e cardíaca, concentrando o fluxo sanguíneo para o cérebro, onde você precisa. Essa resposta muito física está preparando você para enfrentar uma situação intensa.

Lutar ou fugir é necessário para produzir as reações que nos permitem reagir rapidamente ao perigo. Quando essa resposta se recusa a desligar, no entanto, pode causar uma série de problemas mentais e físicos. Esta condição é conhecida como transtorno de ansiedade, que está presente em cerca de 40 milhões de adultos só nos Estados Unidos.

Aqui estão indicadores comuns de um transtorno de ansiedade:

– Pânico, medo e inquietação

– Problemas de sono

– Não ser capaz de ficar calmo e quieto

– Mãos ou pés frios, suados, dormentes ou formigando

– Falta de ar

– Palpitações cardíacas (batimentos cardíacos rápidos)

– Boca seca

– Náusea

– Músculos tensos

– Tonturas

O estado quase constante de inquietação tem o potencial de atrapalhar a vida de uma pessoa. A presença de ansiedade, especialmente em casos graves, “pode ter um efeito devastador em sua saúde pessoal e mental. A ansiedade crônica pode interferir em obrigações familiares, profissionais e sociais”.

Tipos de ansiedade

O transtorno de ansiedade social, também conhecido como fobia social, envolve sentir-se sobrecarregado e autoconsciente na maioria, se não em todos os ambientes sociais. As pessoas com essa condição ficam obcecadas com o que os outros podem estar pensando delas. Elas podem sentir que estão sendo julgados ou criticados.

O transtorno de ansiedade generalizada (TAG) é o segundo tipo mais diagnosticado de ansiedade. O TAG pode ser a mais enigmática de todas as condições de ansiedade, pois a pessoa sente altos níveis de preocupação, tensão e angústia sem motivo. Os sintomas geralmente variam de leves a graves.

O transtorno do pânico, em relação aos efeitos físicos no corpo, excede os de outras condições em gravidade. Os ataques de pânico, definidos como “o início abrupto do medo do desconforto que atinge um pico em poucos minutos”, podem parecer estranhamente semelhantes a um ataque cardíaco.

O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) “se desenvolve depois que você testemunhou ou experimentou algo traumático”. Hoje, associamos o TEPT à guerra – e com razão. O Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA estima que o TEPT afeta: 31% dos veteranos do Vietnã, 10% dos veteranos da Guerra do Golfo e 11% dos veteranos das guerras no Iraque e no Afeganistão. Os sintomas psicológicos do TEPT costumam ser graves e incluem: ficar facilmente irritado e agitado, insônia, pesadelos e flashbacks.

O transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) é uma condição de ansiedade que “causa sintomas comportamentais óbvios, como realizar atos compulsivos e repetitivos”. As pessoas com TOC sentem um desejo implacável de realizar tais atos para (perceptivamente) iludir as consequências negativas. Por exemplo, trancar e destrancar a porta um certo número de vezes para provar que está funcionando.

Complicações

Além da angústia inerente causada por vários sintomas de ansiedade, a ansiedade crônica pode resultar em outros impedimentos à saúde. A causa subjacente das complicações de saúde da ansiedade é a incapacidade do cérebro de retornar a um estado de equilíbrio – isso afeta negativamente a funcionalidade e estimula reações incomuns dentro do corpo.

Aqui estão algumas complicações potenciais:

– O estresse prolongado muitas vezes se manifesta em um sentimento de saúde geral.

– Existem algumas evidências de que as vacinas são menos eficazes em pessoas com esses distúrbios.

– De acordo com a Harvard Medical School (HMS), pode existir uma ligação entre altos níveis de estresse e o desenvolvimento da síndrome do intestino irritável.

– Enfraquecimento do sistema imunológico.

Ajuda com ansiedade

Um transtorno de ansiedade não é uma fraqueza pessoal; é um desequilíbrio químico no cérebro. Com o tratamento certo, você se sentirá melhor!

A maioria dentro do campo médico aconselhará alguém que sofre de ansiedade a consultar um médico. A terapia cognitiva ou comportamental, juntamente com a medicação, pode ser o melhor curso de ação, de acordo com muitos profissionais médicos.

Para aqueles que procuram uma abordagem mais natural para resolver o problema, algumas mudanças no estilo de vida podem ajudar.

– Exercício: malhar libera hormônios do bem-estar e é uma excelente maneira de aliviar o estresse e a ansiedade.

– Meditação/yoga: Práticas de atenção plena, como meditação e ioga, são poderosas. Evidências sugerem que a meditação regular altera positivamente a química do cérebro, o que é promissor como uma potencial solução a longo prazo.

– Sono adequado: 7 a 8 horas de sono de qualidade são essenciais para restaurar os recursos esgotados do cérebro (e outros motivos). Dormir demais (mais de 10 horas/noite) tem um efeito contraproducente, no entanto.

– Uma dieta bem equilibrada: A nutrição derivada dos alimentos é crucial para o funcionamento natural do cérebro. Recomenda-se uma mistura de grãos integrais, frutas, legumes e carnes magras.

– Pare de fumar e/ou reduza a ingestão de álcool: Embora ambos possam produzir um aumento temporário (resultado do aumento dos níveis de dopamina no cérebro), o tabagismo prolongado e o abuso de álcool trazem riscos significativos à saúde.

Por Power of Positivity

Traduzido e Adaptado por Equipe Sábias Palavras

Imagem de Capa: pathdoc no Adobe Stock

VEJA TAMBÉM






Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!