Nos últimos anos, experimentamos uma era de ouro em termos da reivindicação da igualdade de género e dos direitos das mulheres. De fato, há algo muito claro para a mãe de agora: a necessidade de educar a sua filha no valor da liberdade e da coragem, e não dar ao mundo uma pequena princesa que precisa de ser salva por um príncipe encantado.

Segundo a UNESCO, um dos principais objetivos de todas as sociedades é promover a igualdade de género e a não discriminação das meninas. De um modo geral, todos concordamos com isso, o que é um fim lógico em que vale a pena investir recursos, esforços e consciência adequada.

“Pés para que te quero se eu tiver asas para voar” – Frida Kahlo

No entanto, há um fato que nos escapa, há um pequeno “grande” nuance que muitas vezes não percebemos e que quase sem nos apercebermos, cinzela a personalidade e o pensamento das nossas raparigas. Se há algo que reforçamos diariamente, é a coragem do físico, elogiamos os vestidos, os cabelos e lembramos todos os dias da necessidade de sermos boas filhas, boas irmãs, boas companheiras, boas mulheres …

No entanto, sob esses rótulos clássicos, o que realmente alcançamos é guiar as suas prioridades para reforçar, quase sem querer, o esquema patriarcal clássico. Potenciemos no dia-a-dia outras áreas, outros aspectos que permitem que sejam elas mesmas, o que querem, o que dita o seu coração.

Eduque dando-lhes asas e coragem o suficiente para que, se a qualquer momento houver oportunidade, elas possam se salvar.

A minha menina não vai ter medo de dragões

Para dar ao mundo pessoas maduras, livres e corajosas, que sabem construir os seus próprios caminhos, nada melhor do que oferecer estratégias adequadas para que possam administrar os seus medos e inseguranças.

Toda a menina – como toda criança do sexo masculino – deve ser capaz de enfrentar os seus próprios medos com a nossa ajuda, racionalizando ideias e controlando as suas emoções um pouco melhor a cada dia.

Quando é hora de adiar medos, é necessário “não alimentá-los”. Assim, a última coisa que devemos fazer com as nossas filhas é promover a sua dependência dos outros. O pai não deve olhar debaixo da cama se estiver com medo, a mãe não vai falar por ela quando ela quer perguntar algo em voz alta com a desculpa de que ela é tímida.

Desde cedo, vamos encorajá-los a encarar o que os preocupa, aquelas pequenas coisas que assustam todas as crianças, qualquer que seja o seu género e que, às vezes, algumas famílias toleram mais, caso sejam meninas.

Você não tem que ser uma boa menina, mas sim o suficiente para ser você mesma, o que você quiser

Seja boa, fique quieta, não diga, não fale, se vista bem, não seja sem-vergonha, não chame atenção, faça o mesmo que as outros, não saia da linha, vestido … Essas e outras muitas outras frases, ideias e mandatos são aquelas que sempre acompanharam todas as meninas ao longo de várias gerações.

“O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos” – Eleanor Roosevelt

É claro que queremos que as nossas filhas nos obedeçam, mas, em vez de educar no esquema clássico de pura e simples obediência, mudamos o foco para promover as suas habilidades, as suas forças e virtudes.

  • Eduque em sensibilidade, conhecendo suas necessidades, seus gostos, suas paixões.
  • Educar em igualdade, não tenha preferências com elas como não tenhas com os seus filhos e vice-versa.
  • Não as determine, não direcione o seu comportamento para o que gostaria que elas fossem.
  • Ouça-a, ofereça-lhe segurança e ofereça as suas responsabilidades muito cedo. Faça-a ver que ela é capaz de muitas coisas, de não precisar de segundas pessoas para muitas coisas.
  • Mostre a ela que confiar em si mesma e em suas habilidades pode ser um longo caminho.

A auto-estima de uma menina não é reforçada apenas por dizer que ela é bonita.

Você pode dizer a ela, não há problema com isso. Você pode dizer a ela diariamente que ela é a menina mais bonita do mundo, porque é claro que ela é. No entanto, não faça isso, não priorize esta abordagem exclusivamente.

Quando nos apresentam, por exemplo, a filha de alguns amigos, é muito comum dizer isso de “mas como você é linda, Laura, e que lindo vestido você está usando …”. Pouco a pouco, Laura ficará tão acostumada ao reforço positivo associado ao seu físico que baseará a sua auto-estima somente nesse aspecto. Não é adequado.

Para concluir, a sua menina é e sempre será bonita, mas para você como mãe e como pai não é a coisa mais importante. O que você quer é que ela se torne uma mulher com voz própria, com seus próprios pensamentos e objetivos definidos que ela sabe como defender e realizar.

Alguém livre para amar e ser amado, para conquistar qualquer cenário que esteja ao alcance. Pode ser o que ela quer amanhã, e não, ela não vai precisar de um príncipe para salvá-la de qualquer coisa …

Traduzido e adaptado pela equipa de Sábias Palavras

Fonte: Eresmama

VEJA TAMBÉM




COMENTÁRIOS




Sábias Palavras
Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!