Joana Prado, esposa do lutador Vitor Belfort, emocionou a todos em um stories no Instagram onde falava de sua cunhada Priscila Belfort, desaparecida há 19 anos, e que até hoje não se tem notícias.

A empresária se emocionou ao falar sobre a dor que a família ainda sente – isso na data que marca 19 anos desde a última vez que a universitária foi vista.

Em seu perfil na rede social, Joana Prado gravou uma sequência de vídeos comoventes para lembrar que o desaparecimento de sua cunhada, Priscila Belfort, acaba de completar mais um ano.

Priscila foi vista pela última vez há 19 anos e, desde então, a família fala sobre isso com um sofrimento que nunca diminui.

“No dia 9 de janeiro de 2004, minha querida cunhada Priscila foi trabalhar e nunca mais voltou para casa. Hoje, dia 9 de janeiro de 2023, completam exatos 19 anos que a gente não tem mais a Pri aqui do nosso lado. Minha cunhada não conheceu os meus filhos”, disse Joana, que não conseguiu segurar as lágrimas.

“Minha cunhada não teve a oportunidade de concluir a faculdade dela, de casar, de ter filhos. A gente não sabe, na verdade, se a Pri tá viva ou se a Pri tá morta. A gente não sabe se ela passa frio, se ela tá feliz ou se ela está lá com o nosso Senhor. A dor é grande. A dor é diária. Eu estou aqui para alertar você de que o caso de desaparecimento de pessoas é real”, disse.


A também escritora, fez questão de comentar como os pais tem obrigação de falar abertamente com seus filhos sobre o desaparecimento de pessoas e prepará-los para evitar qualquer risco possível.

“Você sabia que, anualmente, no mundo inteiro, em torno de quatro milhões de pessoas desaparecem? […] Então o fato é real, o desaparecimento de pessoas existe e você como mãe tem obrigação de alertar seus filhos. Você tem obrigação de ensiná-los quem são os predadores, quais são os lugares onde essas crianças estão expostas, essas redes sociais… A gente tem que tomar muito cuidado”, disse Joana, que é mãe de 3 filhos com o marido Vitor: Davi, Kyara e Vitoria.

“O trabalho preventivo é fundamental. Então você mãe, você pai, converse com seus filhos, principalmente com suas filhas, porque os números maiores [de desaparecimentos] estão entre mulheres e meninas mais novas também”, finalizou.

Vitor Belfort compartilhou um vídeo em seu perfil no Instagram com fotos de sua infância ao lado da irmã, também para relembrar o desaparecimento e a saudade que sente.

“Com a graça de Deus eu me reinventei e aprendi a ser RESILIENTE e continuar a lutar para ser feliz em meio a angústia e a tristeza que seria viver sem saber o que aconteceu com você. Em meio a maior dor da humanidade, pois a morte é considerada o maior trauma da humanidade mas o desaparecimento é uma morte diária e por isso que essa dor é imensurável.”, lamentou Vitor.

“Pri, onde você estiver, saiba que, jamais será esquecida. Eu te amo muito. O Davi a Vítoria e a Kyara sempre perguntam de você. O Davi vai pra faculdade ano que vem, e caso essa carta chegue até você saiba que a resiliência é o único remédio para tratar traumas”, disse ele no post.

Priscila Belfort desapareceu aos 29 anos, sendo vista pela última vez quando saiu para almoçar nas proximidades do local onde trabalhava, no Rio de Janeiro.

Até hoje não se sabe o que houve com a universitária, que estaria com 48 anos.

Imagem de Capa: Instagram





Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!