Muitas pessoas imigram para os Estados Unidos com a esperança de uma vida melhor e mais oportunidades. Isso inclui a colombiana Diana Trujillo. Ela cresceu em Cali, Colômbia, e desde pequena já tinha um um grande interesse por ciência e o espaço. Ela não imaginava o quão esses sonhos se tornariam realidade.

Diana trabalha como engenheira aeroespacial, liderando uma equipe de 45 pessoas no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. Lá, sua equipe trabalhou na criação do braço robótico para o rover Perseverance Mars.

Quando era apenas uma menina crescendo na Colômbia, Diana sonhava explorar o universo e compreender mais sobre ele. Esse fascínio a levou a dar um grande salto de fé para realizar seus sonhos.

Ela sabia o que queria, mas viu muitos obstáculos em seu caminho. Por ser uma mulher latina em um campo dominado por homens, Diana não tinha certeza de até onde conseguiria avançar em sua carreira científica.

Com ajuda de seu pai, e seu maior torcedor, ela imigrou para os Estados Unidos aos 17 anos. Tudo o que ela tinha eram apenas $ 300 dólares no bolso. Ela lutou trabalhando com serviços domésticos para pagar seus estudos no Miami Dade College.

Lá, ela fez aulas de inglês e também se inscreveu em cursos de engenharia aeroespacial. Embora às vezes tivesse que pegar seis ônibus para chegar às aulas, ela nunca reclamou. Apesar de ter que limpar banheiros para ter dinheiro, ela estava grata pela chance de realizar seus sonhos.

No entanto, ela tinha outro motivo para querer imigrar para os Estados Unidos para estudar ciências. Ela se sentiu motivada a se tornar uma engenheira aeroespacial para provar que alguns de sua família estavam errados.

“Eu queria que eu – especialmente os homens da minha própria família – reconhecesse que as mulheres agregam valor”, disse ela, acrescentando: “isso veio do desejo de provar a elas que somos importantes”.

Diana continuou seus estudos, especializando-se em ciências espaciais no MDC. Seus professores reconheceram seus esforços e a incentivaram a se inscrever na prestigiosa NASA Academy. O programa de treinamento a aceitou, e ela se tornou a primeira mulher imigrante hispânica na academia. Ela se destacou, e a NASA ofereceu-lhe um emprego de tempo integral junto com apenas um outro aluno da academia.

Enquanto isso, Diana conheceu o especialista em robôs Brian Roberts. Ele imediatamente viu seu potencial, pedindo-lhe para se juntar ao seu departamento de pesquisa de robótica espacial da NASA na Universidade de Maryland. Lá, ela se formou em Engenharia Aeroespacial e se formou em 2007.

Mais tarde naquele ano, ela se tornou membro do Goddard Space Flight Center da NASA no programa Constellation. Ela também começou a trabalhar no Laboratório de Propulsão a Jato em missões espaciais humanas e robóticas. Desde que foi contratada pela NASA, Diana trabalhou seu caminho para se tornar a Diretora de Voo do Mars Rover.

Ela atingiu um marco na carreira em 2014, quando liderou a equipe de segurança operacional do Curiosity Rover. Durante esta missão, ela desenvolveu uma ferramenta de remoção de poeira para ajudar os cientistas a explorar melhor a superfície de Marte. Essa conquista significativa rendeu seu reconhecimento como um dos 20 latinos mais influentes na indústria de tecnologia.

Quando o rover Mars Perseverance pousou em Marte, Diana fez comentários sobre o evento histórico. Isso marcou a primeira transmissão em espanhol da NASA. Em seguida, Diana apresentou a primeira transmissão em espanhol da NASA chamada Juntos perseveramos (Together we Persevere). Desde que foi transmitido, obteve mais de 2,5 milhões de visualizações no YouTube.

De acordo com a Student Research Foundation, os hispânicos representam apenas 8% da força de trabalho STEM, dos quais 2% são mulheres. Diana continua a encorajar as mulheres, especialmente as minorias, a perseguir seus sonhos, independentemente de sua origem.

Fonte: Power of Positivity

Imagem de Capa: Nasa

VEJA TAMBÉM






Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!