As decepções nos aproximam das pessoas verdadeiras e nos afastam daquelas que não nos acrescentam em nada. Caio Fernando de Abreu nos disse que “as decepções são apenas uma forma de Deus nos dizer: Eu tenho algo melhor para você!”

Penso que ele está certo sobre isso. A vida é efêmera e não podemos desperdiçar o nosso tempo precioso com quem nos retira de nós mesmos. Nietzsche também disse que:

“O que não provoca a minha morte, faz com que eu fique mais forte.”

Por meio dessas constatações, podemos chegar à conclusão de que precisamos ser cuidadosos com as pessoas com quem convivemos e apesar desses contratempos nos fortalecer, precisamos estar atentos. Os outros possuem defeitos, assim como nós, e acredito que, por mais aromatizada que seja uma rosa, ela sempre trará espinhos em sua composição.

A vida tem as suas bifurcações, as suas incongruências e suas oscilações. A nós, caberá o papel de analisar com cuidado as companhias das quais estamos cercados ao longo de toda a nossa existência.

Sabe aquele namoro que se desgastou, aquele amigo que está sempre com pedras nas mãos para nos machucar o coração? Muitas vezes precisamos terminar o namoro falido e nos afastarmos de pessoas que estão bem longe de ser um buquê de rosas para a nossa verossimilidade.

Valerá a pena observar quem nos cerca, para avaliarmos quem será uma boa companhia para nós.

Valerá “desentupir a pia” das nossas emoções e sentimentos, para nos aproximarmos de quem possa nos trazer bem-estar.

A vida já é cheia de problemas, que muitas vezes não conseguimos resolver, não valerá a pena contaminarmos o nosso espírito com certos tipos de coisas que podem tornar-se dispensáveis, à medida que o amor por nós mesmos floresce. Que você possa sacudir essa toalha cheia de farelos desnecessários e que possa colocar uma nova mesa, com alimentos que só lhe farão bem à saúde.

Quando digo que as decepções nos aproximam de pessoas verdadeiras e nos afastam de quem em nada nos acrescenta, estou tentando alertá-lo de que a vida é assim, vão-se uns, para que outros se aproximem.

À medida que nos desfazemos dos nós que nos dilaceram a alma, atraímos para perto de nós espíritos afins. Quando notarmos, estaremos rodeados de pessoas que falem a mesma linguagem que nós. Porque todos nós atraímos para perto os nossos semelhantes e repelimos quem não esteja vibrando na mesma frequência emitida.

Então, que possamos atrair sintonias e empatias que só nos farão bem e que possamos nos afastar daqueles que nos trarão mal-estar! Essa é a matemática da vida, atrair quem estiver em consonância connosco. E depois de termos atravessado o mar das decepções que precisamos nos deparar, seremos, lá na frente, recompensados!

O amor-próprio deve ser o primeiro de todos os nossos muitos amores!

Se a vida lhe der limões, sorria e faça uma bela limonada, com bastante açúcar para provar que somos nós quem decidimos qual rumo daremos às nossas vitórias!

Por: Thiana Furtado

VEJA TAMBÉM




Thiana Furtado
A autora é escritora, romancista, contista e colunista de algumas páginas... Atualmente, está trabalhando em livros desses gêneros descritos. A escrita para ela, é um dom, mas também é treino e conquista. Escreve desde os 16 anos e lançou o livro Minha vida com o transtorno esquizoafetivo, em outubro de 2018. Acredita que a vida não teria sentido, sem escrever. É um motor de arranque, um passatempo, mas também é trabalho, uma missão para tornar esse mundo um lugar menos denso de se viver. Acredita que a leitura pode transformar, em um sentido positivo, o dia, ou a vida de alguém. Ler livros é adentrar-se em uma aventura que nos transborda a alma...