Da mesma forma que uma pessoa extrovertida e expansiva pode, sim, esconder uma insegurança enorme. As pessoas aparentemente tímidas podem ser a mais audaciosas, se não depravadas.

Abra o olho. Há muito lobo vestindo pele de cordeiro.

Não confunda caráter com personalidade. Existem muito lobo com pele de cordeiro e vice-versa. Precisamos estar atentos para não interpretar a índole de uma pessoa por sua personalidade e acabar por cometer injustiças ou se enganar ao ponto de sofrer uma grande decepção.

Caráter tem a ver com valores morais. Envolve adjetivos como integridade, honestidade e generosidade, bem como, a falta deles todos. Diz sobre o que somos de verdade, mesmo quando ninguém está olhando. O que se refere ao nosso nível de ética, civilidade e até mesmo amor ao próximo.

Já personalidade é a forma como nos mostramos para as pessoas. Tem a ver com jeito de ser e forma de se expressar. A lógica esperada é a de que a personalidade seja uma consequência do nosso caráter, mas é exatamente nesse ponto que prejulgamos, já que nem sempre essa linha de pensamento funciona e, muitas vezes, acontece exatamente o oposto. Então, um caráter pode ser bem diferente da atitude aparente e esconder muitos lobos e, porque não, também cordeiros.

“Ser sincero nem sempre traz as melhores consequências (…)”

Ser sincero nem sempre traz as melhores consequências, então, em uma sociedade abastecida pela malandragem ser falso e dissimulado para chegar aonde se deseja acaba se tornando mais frequente do que imaginamos. Ainda mais com a fragilidade emocional da sociedade que tem dificuldade de encarar a verdade, ofendendo-se facilmente por qualquer mero comentário. Por isso, a maioria de nós vira político, calando verdades, dando elogios que não são sinceros e fazendo promessas que jamais serão cumpridas.

Isso significa que alguém pode ter uma personalidade positiva mas um caráter nefasto. Muitas pessoas de fala mansa e sorriso fácil podem esconder uma má índole que jamais poderíamos suspeitar existir. E a gente diz: “Logo ele”. Sim, qualquer um está sujeito a corrupção, uma vez que, jeito não define alma, pois existe bastante gente eloquente que usa sua simpatia apenas para manipular e conseguir o que de fato quer. Da mesma forma, uma personalidade tímida pode esconder um caráter pervertido sem deixar nenhuma pista. “Nossa, ele era tão certinho.”

Mas o contrário também existe. Uma pessoa de personalidade monótona e até mesmo chata pode esconder um mundo de amor. É quando uma ajuda vem de onde você menos espera. Uma personalidade explosiva e arrogante nem sempre define a bondade que se carrega no coração. Uma pessoa destemperada ainda pode ser a mais justa, generosa e ser a primeira a lhe ajudar quando precisa. Da mesma forma que uma pessoa extrovertida e expansiva pode, sim, esconder uma insegurança enorme. E as aparentemente tímidas podem ser a mais audaciosas, se não depravadas.

Então, quando for escolher as pessoas com as quais irá conviver lembre disso: bom humor não traduz lealdade, nem jeito querido define um bom caráter. Da mesma forma, cara feia nem sempre significa desafeto, nem teimosia, egoísmo. Por isso, não julgue uma pessoa por seu temperamento, pois, às vezes, o amigo mais “gente boa” na mesa de um bar pode ser seu maior inimigo dentro do seu próprio trabalho sem que você sequer faça ideia.

Enquanto aquele que mal fala com você é quem lhe defende porque é profissional e tem ética.

Jeito a gente vê pela forma de se expressar, mas o que define caráter são as atitudes mais sinceras. Portanto, fique atento: as aparências enganam sim, mas a simpatia pode enganar mais ainda…

Por: Luciano Cazz

Imagem de capa: Ana Francisconi de Pexels

VEJA TAMBÉM




Luciano Cazz
Ator e escritor. Autor do livro "A tempestade depois do arco-íris"e do blog Inspirando Luz.