Ninguém sabe das batalhas que enfrentamos diariamente sozinhos. De toda a dor que suportamos calados. Das frustrações que guardamos em segredo. Muito menos das maravilhas que o universo reserva para nós. Por isso ninguém tem o direito de nos julgar.

Se o Universo conspira a meu favor, não é a inveja que vai me derrubar.

Tem gente que adora reprimir nossa felicidade julgado nossas atitudes. Agregam um valor negativo aos nossos comportamentos, às nossas ideias e, principalmente, aos nossos sonhos. E, muitas vezes, essas críticas acabam nos desanimando. Criamos uma autocensura equivocada sobre tudo aquilo que desejamos, somos e fazemos.

São pessoas que sempre tem um comentário negativo sobre nossos atos. Uma cara feia para nossos pensamentos. Você começa uma nova relação e logo visualizam trágicos desfechos. Um novo projeto e mais críticas. Resolve fazer uma mudança radical no visual ou na vida e logo vem um: “Ih, isso não vai dar certo” Na verdade é o desejo inconsciente delas para que não sejamos plenos. Expressam sua própria falta de coragem e atitude por não serem capazes de se abrir para vida e correrem todos os riscos sadios para serem felizes. Ficam trancafiadas em seu próprio medo e tudo que lhes restam é agourar e criticar a sua capacidade de fazer e acontecer, a sua grande vontade de viver.

Até aí, tudo mais ou menos bem, a falta de autoestima e a vida sem graça é deles. O problema começa na sua vida, quando as caretas de reprovação enfraquecem a sua vontade de realizar. Você está super empolgado com o novo amor, projeto, trabalho, e esses pequenos juízes de valor vão sorrateiramente sugando sua energia, fazendo com que você não se empenhe tanto, não acredite tanto e, às vezes, até desista de seguir em frente. O desanimo toma conta sem que você sequer consiga entender o porquê.

E não é só a crítica em si que atrapalha, mas também o desejo que você detecta no outro do seu insucesso. A dor de cotovelo alheia bate forte dentro da gente e desanima muito mais do que nossas próprias dúvidas sobre o futuro. A gente se sente indigno da felicidade Essa insegurança diminui a nossa luz e abala nossa potencialidade de realização devido a uma falsa sensação de que não merecemos ter sucesso, devido à energia negativa dos invejosos. Então, tudo vira obstáculo ou uma desculpa para não seguir em frente. Bate uma preguiça. E mesmo que seja apenas para não decepcionar quem não nos quer ver bem, acabamos desistindo de muitas coisas importantes.

O que você têm de fazer é cortar da sua vida, o quanto antes, essa vibração aniquiladora de almas.

Se precisar, guarde seus projetos para si. Não conte para quem você sabe que vai colocar olho grande. Não se abra com qualquer um. Use a energia do segredo para manter o foco e a fé de que a vida pode ser feita de sucessos em todas as áreas, sim.

Feche-se para críticas destrutivas das pessoas mal resolvidas e infelizes Abra-se para o otimismo, para a lógica do erro e acerto, porque a vida não é perfeita. E tente sempre, sem deixar que qualquer tropeço fira sua vontade de seguir em frente. Pelo contrário, que o erro lhe ensine que o verdadeiro valor da conquista está no quanto de esforço empenhamos nela. No quanto somos resilientes e persistimos. Porque a pior que a derrota é desistir porque quem não conhece o que habita nossa alma falou que não daria certo.

Cubra os ouvidos para o pessimismo e escute a voz do coração, afinal, ninguém é capaz de antever as bençãos do Universo que já esperam por você.

Por: Luciano CazzInspirando Luz

Imagem de capa: Renato Abati no Pexels

VEJA TAMBÉM




COMENTÁRIOS




Luciano Cazz
Ator e escritor. Autor do livro "A tempestade depois do arco-íris"e do blog Inspirando Luz.