O quanto ouvimos “foi sem querer”, “não foi a minha intenção ter falado aquilo”, “eu falei sem pensar”, já perdi a conta de quantas vezes eu mesma falei isso. Sem dúvidas, não há como voltar ao passado e, como o dito popular “não adianta chorar pelo leite derramado”. É inegável que o que falou está falado e não se pode alterar, ou, com tamanha facilidade, apertar o botão “voltar” e consertar o estrago. Quem ouviu não esquece, mesmo se nos desculparmos um milhão de vezes, e até mesmo se formos agraciados pelo perdão não se pode anular o que foi dito.

Cremos que a sabedoria do silêncio é demais para nós, que cabe apenas às pessoas brilhantes que já nasceram iluminadas, porém a bíblia ensina que até os tolos passam por sábios quando se calam.

Não é um calar no sentido de ser uma pessoa sem atitude e inerte, mas da sabedoria de quando se posicionar, ou seja, de saber discernir quando se deve e o que é necessário falar. Há palavras mais duras de que uma agressão física, são verdadeiras agressões psicológicas, há palavras que marcam e que nas mentes mais vulneráveis se tornam verdades. Muitos delinquentes cresceram em ambientes que os próprios pais já diziam que não seriam “alguém na vida”, tais palavras se tornaram verdadeiras sentenças.

Apesar de reconhecermos o peso das palavras, nem sempre optamos pelo silêncio, quando temos a consciência de que o que queremos dizer irá machucar, por vezes preferimos falar, afinal, dói segurar e tem coisas que realmente precisam ser ditas. Tenho por mim que o que nos falta é sabedoria para em qual momento falar, quais palavras e o tom adequado de se usar.

Precisamos reeducar a nossa boca e usá-la para o bem, vivemos em sociedade e uma das regras básicas de urbanidade é o respeito, mesmo que não seja recíproco. Reagir da mesma forma grosseira de que às vezes somos tratados, é se igualar com os ignorantes.

Tudo o que plantamos colheremos, e acredito que com as palavras não é diferente. Elas têm poder, não voltam vazias, pare um pouco para refletir sobre o que tem semeado em sua vida e das demais pessoas. Também, não são os muitos argumentos que nos garantirão êxito em meio as discussões, algumas vezes, basta uma só palavra, ademais, como outro dito popular: “quem muito fala muito erra”, tudo nos leva a afirmar que a sabedoria se encontra nas poucas palavras.

Há pessoas mais maduras e experientes do que outras, que sabem discernir se o que ouviu realmente foi intencional, ou se foi algo do momento, impensado e que se refletido, nunca deveria ter sido pronunciado, enfim, um erro. Para estas pessoas não são necessárias muitas explicações, um pedido de perdão sincero já resolve. Contudo, a grande maioria não é assim, e alguns, guardam mágoas profundas por palavras jogadas ao vento.

Damos enorme reconhecimento e admiração à quem pensa antes de falar, tem a prudência na escolha das palavras e sabe o momento certo de dizê-las.

Podemos aprender com essas pessoas a sermos seres mais agradáveis e influentes, com o uso de nosso rico vocabulário com uma dose de sabedoria, reduzindo assim, drasticamente as ofensas e passando a mensagem que queremos de uma forma eficaz. Se refletirmos, grandes homens da história conquistaram direitos que gozamos hoje se posicionando, indo para as ruas com belíssimos discursos para expor seus ideais, disso podemos aprender que as palavras possuem desmedida influência, quando adequadamente usadas.

Por: Maite Keitel

Imagem de capa: Eternal Happiness no Pexels

VEJA TAMBÉM




COMENTÁRIOS




Sábias Palavras
Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!