No final, chega um instante na vida em que se aprende a deixar ir certos sonhos, certas amizades e alguns amores que, a certa altura, significavam tudo. No entanto, fazemos isso sabendo que o que tem de retornar o fará de outras maneiras, com outras faces, com outros sorrisos mais sinceros e com novos ventos capazes de nos reiniciar uma vez, dez mil vezes.

É curioso como o mundo da literatura infantil às vezes oferece lições maravilhosas para o crescimento pessoal que valem a pena levar em consideração. Um exemplo disso está em “O Mágico de Oz”, de Lyman Frank Baum. Nesta peça inesquecível de literatura, encontramos uma jovem que, arrastada por um poderoso tornado, chega a um mundo estranho e desconhecido.

«Não posso voltar para ontem, porque já sou uma pessoa diferente» – Lewis Carroll

Desde que Dorothy chega ao mundo de Oz, ela só quer uma coisa: voltar para casa. Pouco a pouco, seu medo inicial dessa situação nova e assustadora diminui graças a seus novos e únicos amigos, seus sapatos de prata e um objetivo muito específico: alcançar o mago de OZ e pedir que ele a devolva para sua casa. Para conseguir isso, basta seguir o caminho dos azulejos amarelos.

Assim, e ao final de tantas aventuras e desventuras, a jovem protagonista descobre que, na realidade, o poder de voltar para casa sempre esteve lá, dentro dela. No entanto, essa fascinante jornada acaba sendo essencial para despertar uma a uma as suas forças pessoais e a coragem sem paralelo que também guardamos em algum canto do nosso ser.

Perder-se, fugir de nossos caminhos habituais não é tão ruim quanto pode parecer à primeira vista.

Abandonar certas coisas, certas pessoas, projetos, sonhos e ambições também não é fatalidade. Porque, no final, o que conta são os passos e tudo o que foi aprendido, só assim permitiremos o que voltará no devido tempo, enquanto prosseguimos pelo caminho de ladrilhos amarelos que é o próprio crescimento pessoal – ou mesmo o “caminho dourado”. » Dos quais o budismo nos diz.

Andrea é engenheira. Ela criou um transporte sofisticado e original para animais de estimação que se adapta aos bancos traseiros dos carros, garantindo a total segurança e conforto dos animais. Cada vez que apresenta seu projeto a um empresário, ela explica que, com sua proposta, a vida de inúmeros animais que agora morrem em acidentes de trânsito seria salva porque não estavam protegidos.

Até o momento, apenas uma pessoa se interessou pela ideia de Andrea, mas após o primeiro “sim”, a empresa recuou justificando que não era lucrativa. No entanto, a nossa protagonista não entrou em colapso. Ela não desiste nem permite que nenhuma de suas ilusões entre em colapso. Andrea entende que deve continuar trabalhando, disse a si mesma que talvez deva inovar em outros materiais mais baratos, mas igualmente seguros, talvez deva se abrir para outros mercados, apresentar sua ideia no exterior …

Ela sabe que as oportunidades voltarão, mas farão isso em seu tempo e lugar. Tem plena confiança de que mais pessoas e organizações serão atraídas para seu projeto e, portanto, não deixa um único dia para investir tempo, ideias e esforços em seu propósito. Provavelmente, essa jovem engenheira obtém sucesso mais cedo ou mais tarde porque, como o filósofo José Antonio Marina nos diz, talento é inteligência em ação e, embora às vezes acreditemos que tudo está perdido, a estrada de ladrilhos amarelos está sempre lá … na nossa frente.

Perder, receber uma recusa em resposta, fracassar, tropeçar na mesma pedra três vezes ou até se apaixonar pela pessoa menos adequada do mundo, tem seu objetivo: assumir um aprendizado. Além disso, todos esses buracos ao longo do caminho levam a melhorar nossos propósitos vitais pela força, porque após o “tornado” se acalma e a obrigação de criar uma meta pessoal muito mais bonita, mais digna, mais forte e, acima de tudo, resistente.

Cedo ou tarde, as oportunidades retornarão e, quando voltarem, estaremos perfeitamente preparados.

As estrelas estão tão longe de nós que até a luz delas leva anos para chegar ao nosso pequeno planeta. No entanto, às vezes não nos lembramos disso, e há noites em que nos deliciamos em apontá-las uma a uma, sem lembrar que talvez muitas delas não existam mais, que explodiram há muito tempo, desintegrando-se no vazio cósmico na forma de poeira estelar.

«Não vá lá fora, volte para si mesmo. No homem interior habita a verdade » – Santo Agostinho

Nem tudo o que volta para nós é autêntico, sabemos, como a luz dessas mesmas estrelas. Às vezes, perdemos um amor e esperamos que um melhor, mais apaixonado, mais brilhante e romântico retorne. Outras vezes, perdemos uma oportunidade e esperamos voltar a ter o mesmo destino o mais rápido possível, em um piscar de olhos. No entanto, nada disso é tão rápido quanto esperamos ou da maneira como sonhamos.

É preciso ter paciência e entender que as coisas voltam, não há dúvida, mas elas sempre fazem diferente: com um amor mais calmo e rico, talvez. Com uma oportunidade menos brilhante, mas talvez mais lucrativa.

É apenas sobre ser receptivo e, afinal, usar os mesmos sapatos prateados que Dorothy usava no Mágico de Oz. Porque, na realidade, embora o cinema quisesse nos fazer ver que eram vermelhos, o autor do livro Lyman Frank Baum os imaginou prateados por um motivo muito específico.

Os sapatos de Dorothy representavam o “fio de prata” do crescimento espiritual. É o elo através do qual adquirimos uma visão mais nítida das coisas e nossa própria identidade para alcançar a sabedoria. Entender que a vida é uma jornada em que ganhamos e perdemos coisas, onde nada é permanente e onde tudo o que nos chega é um presente exclusivo para saber como aproveitar.

Texto traduzido e adaptado pela equipa de Sábias Palavras

Fonte: La Mente Es Maravillosa

Autor: Valeria Sabater

Imagem de capa: Pedro Sandrini no Pexels

VEJA TAMBÉM




COMENTÁRIOS




Sábias Palavras
Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!