“Em setembro do ano de 1960, levantei-me numa manhã com seis crianças famintas e apenas um dólar no bolso. O meu marido e pai dos meus filhos havia saído sem deixar rasto. Os meninos tinham entre três meses e sete anos e as suas irmãs tinham quatro anos de idade.

Na verdade, isso não fez grande diferença – o pai dos meus filhos não era realmente um bom pai, todos nós tínhamos medo dele quando ele estava por perto. Quando ouvíamos o barulho do carro dele perto de casa, as crianças corriam para se esconder debaixo da cama. Mas o meu marido pelo menos conseguia trazer dinheiro para casa todas as semanas para comprar comida.

Agora que ele finalmente decidiu abandonar-nos, os golpes e os maus-tratos também desapareceriam – mas, com isso, até a comida na mesa desapareceria. Se naquele tempo havia um sistema de assistência social no nosso país, eu pelo menos nunca a consegui ver.

“Procurei em todas as fábricas, lojas e restaurantes da nossa cidade pequena, sem sucesso.”

Eu tratei das crianças e vesti-as para que elas ficassem visíveis e arrumadas e de seguida vesti a minha roupa mais elegante. Coloquei as crianças no nosso velho Chevrolet 51 e fui à procura de um emprego. Procurei em todas as fábricas, lojas e restaurantes da nossa cidade pequena, sem sucesso.

Quando podia, as crianças ficavam no carro e permaneciam em silêncio, enquanto eu tentava convencer os patrões de que era capaz de aprender qualquer coisa e podia fazer tudo. Eu precisava de conseguir um emprego. Mas, apesar de uma busca incessante, não consegui encontrar um emprego.

O último lugar que visitámos estava a poucos quilómetros da cidade. Era um antigo restaurante que tinha sido remodelado e transformado em café de trânsito para os camionistas e foi chamado de “Big Wheel”.

A proprietária era uma mulher mais velha, a quem chamavam de “avó”. Ela inspecionou-me pela janela quando chegámos. Precisava de alguém para o turno da noite, 23h – 7h. Pagava 4 dólares por hora e eu poderia começar imediatamente.

“Podia até vir de pijama, as crianças ja estariam a dormir.”

Eu literalmente corri para casa e liguei para uma adolescente que morava na nossa rua. Ela  costumava tomar conta das crianças do bairro e chegámos a um acordo. Ela poderia ir lá para casa e dormir no meu sofá por US $1 e meio por noite. Podia até vir de pijama, as crianças ja estariam a dormir. Parecia bom para ela. Não houve problema em encontrar uma solução.

Naquela noite, quando as crianças foram para a cama e adormeceram, agradeci ao Todo-Poderoso por ter conseguido um meio de sustento. E comecei a trabalhar em “Big Wheel”. Quando chegava em casa, acordava a babá e ela ia para casa com a sua nota de 1 dólar e meio. Era quase metade do que normalmente ganhava a cada noite.

Com o passar das semanas, os custos de aquecimento aumentaram. Nós viviamos até o limite. Além disso, os pneus do velho “Cheva” estavam perfurados. E eu tinha que enchê-los todos os dias de cada vez que ia trabalhar e que voltava para casa.

Numa manhã particularmente escura de Outono, fui para entrar no carro para ir para casa e encontrei quatro pneus no banco de trás. Eram novos! Não haviam um bilhete ou mensagem! Não havia nada no carro, apenas quatro pneus novos e impecáveis.

“Há realmente anjos nesta cidade?”, pensei.

Eu cheguei a um acordo com o posto de gasolina local. Se eles instalassem as quatro rodas, eu limparia o escritório do chefe. Lembro-me de que levei muito mais tempo para esfregar o chão do escritório do que eles para trocarem os pneus do carro.

Durante esse período, fui forçada a trabalhar seis noites por semana, em vez de cinco, e foi muito difícil chegar a tudo. O Natal aproximava-se e eu não tinha dinheiro para comprar presentes de Natal para os meus filhos. Eu encontrei uma lata de tinta vermelha e comecei a reparar e a pintar alguns brinquedos antigos para lhes dar. Escondi os brinquedos no sotão para que o Pai Natal os pegasse de manhã na véspera de Natal.

Mas as roupas das crianças estavam a ficar pequenas demais. Tentei arranjar as calças dos meninos, mas era só uma questão de tempo antes que eles não conseguissem usá-las mais. Trabalhei a noite toda na véspera de Natal e os clientes tomaram o seu café na “roda-gigante”. Havia os camionistas, Leif, Frank e Jim, e o guarda de trânsito Joe.

Alguns músicos sentaram-se numa mesa depois de ter tocado em algum lugar próximo. Alguns estavam envolvidos a brincar com a máquina de bolas. Os clientes costumavam sentar-se enquanto conversavam por algumas horas e depois saíam nos seus longos trailers para saires antes que o sol nascesse.

“Estava completamente cheio de caixas e pacotes estranhos.”

Quando chegou a minha hora de ir para casa às 7:00 da manhã, véspera de Natal, vi que haviam muitos pacotes no meu velho “Cheva”. Estava completamente cheio de caixas e pacotes estranhos. Eu rapidamente abri a porta do condutor e comecei a olhar para o banco de trás. Quando abri o primeiro pacote, vi que estava cheio de jeans para crianças de vários tamanhos. Então abri outra caixa e havia camisas e casacos. Eu continuei a olhar para as outras caixas …

Havia doces, nozes, frutas e vários sacos de comida. Havia um grande presunto de Natal, legumes enlatados e batatas. Havia tortas, bolos e farinha. Eu também encontrei uma bolsa com produtos de limpeza para a casa. E num pacote havia cinco carros de brinquedo e uma linda bonequinha …

Enquanto dirigia de volta para casa pelas ruas vazias, rumei lentamente sobre a cidade e chorei de gratidão. E nunca esquecerei a alegria nos rostos dos meus pequeninos quando eles viram os seus preciosos tesouros pela manhã.

“Sim, havia anjos na nossa pequena cidade”.

E isso aconteceu em “Big Wheel”, um café de trânsito para camionistas.”

Traduzido e adaptado pela equipa de Sábias Palavras / Inspiring Life

Fonte: Newsner

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Sábias Palavras
Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!