Eu estava a perder-me enquanto esperava que tu me amasses. A tristeza oculta nisso morreu há muito tempo, mas escrevê-lo parece mais final. Eu estava a observar-me através do fumo e espelhos, vendo a maneira como eu me estava a perder, mas sem vergonha, sem saber que parte dessa ruptura seria irreparável.

Não há culpa. Não mais. Eu sei, tu não podes fazer alguém te amar. Não podes deixar os olhos deles pararem de rodar, fazer com que os seus corações permaneçam no lugar, fazê-los saltar para ti se eles não tiverem escolhido saltar. E, no entanto, lá estava eu, rachando peça por peça. Entregá-las para ti com as palmas abertas e pontos de interrogação.

É por isso que eu não podia esperar mais.

Na verdade, havia pedaços da minha vida que eu tinha que deixar ir. Memórias que não falam mais a verdade. Meses que pareciam apenas cheirar a tua colônia. Anos que passaram com o teu nome ou a tua voz ou os teus dedos sempre em pensamento. Eu via-me a repetir mensagens, repetir cenas na minha cabeça que eram deixadas no armazenamento. E eu percebi, eu tinha que deixar tudo o que fosse nosso sozinho. Algumas memórias são melhores se forem deixadas intocadas. Algumas memórias são melhores se forem deixadas num passado que pode honrá-las de uma forma que eu não posso mais.

Acima de tudo, eu percebi que tinha que haver alguém lá fora que não me faria sofrer com a incerteza do jeito que tu fizeste. Tu nunca precisaste de mim da maneira que eu precisei de ti. Tu sempre me davas um gostinho de amor, um gosto do que poderia parecer, e depois empurravas para trás, empurrando para longe, seguindo em frente sem mim.

Eu não era, não sou, a mulher que tu precisavas.

E é isso. Depois de todo esse tempo e toda essa dor, finalmente está tudo bem. Não fazes o meu peito ficar apertado do jeito que costumava ficar. Eu sei agora que tu não eras, não és, o homem que eu precisava. Essa é a beleza em deixar ir.

Assim que as minhas mãos pararam de te alcançar, comecei a aproximar-me. Mesmo com as minhas mãos a tremer, comecei a colocar de volta as partes de mim que tinham sido limpas. Reorganizando os fragmentos que tombaram ou foram esquecidos.

Talvez eu nunca recupere o que perdi nos anos que perdi para ti.

Talvez eu esteja mais sozinha agora, com todo esse tecido de cicatrizes, do que eu jamais poderia ter sido.

Eu estava a perder-me à espera que tu me amasses. Mas promessas vazias e palavras vazias não poderiam manter-me aquecida, não tão bem quanto uma vida plenamente vivida.

Não tão bem quanto um coração totalmente amado.

Traduzido e adaptado pela equipa de Sábias Palavras

Fonte: Thought Catalog

Autora: Alison Malee

COMPARTILHAR

VEJA TAMBÉM





COMENTÁRIOS




Sábias Palavras
Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!