Está mais do que provado que as dificuldades têm poder suficiente para nos deixar desorientados. E elas vêm com tantos jeitos e trejeitos diferentes, com mil faces e assuntos, que não temos nenhuma opção a não ser remediar, mesmo que estejamos surpresos ou atordoados demais para lidar de uma forma positiva com esses eventos.
Embora isso não sirva de consolo, precisamos admitir: os problemas são universais, é uma certeza. Acontecem com todas as pessoas; são os riscos da vida.

Algumas vezes gostaríamos de, pelo menos, ter o direito de enfrentar uma dificuldade de cada vez, sem aquela sensação de estarmos nos afogando em problemas. Mas a vida pode mesmo tomar ares de mar bravio e suas ondas nos derrubarem, sem tempo para nos erguermos. Tomamos um caldo de cansaço, de más notícias e de contratempos diversos.
Precisamos assumir que é complicado lidar com isso. Ao mesmo tempo em que não há quem nunca tenha se perguntado qual a melhor receita para se reerguer quando os obstáculos surgem.

“(…) é preciso saber refrear as urgências que nos apressam (…)”

Encontrar o equilíbrio para CONTINUAR apesar dos desafios é, sem dúvidas, um enigma que a maioria das pessoas tenta desvendar. Afinal, é preciso saber refrear as urgências que nos apressam; precisamos aprender a nos controlar.

É fundamental encontrarmos o ritmo certo, apesar das variações que possam vir a acontecer. Do contrário e quando nos dermos conta, teremos nos tornado escravos dos problemas e reféns do tempo, e não faremos mais nada a não ser correr atrás, ao invés de acompanhar nossos próprios acontecimentos.

O segredo para viver com certa tranquilidade é saber que cada dia é único. As oportunidades, os acontecimentos são exclusivos de cada dia. Assim como as dores, os sofrimentos, e as preocupações são temporários. Aliás, PRECISAM ser temporários. Não há estabilidade psicológica nem emocional se não praticarmos essa lei: “A cada dia basta o seu peso”.

“O que já vivemos não pode ser apagado, quer tenha sido bom ou ruim (…)”

É claro que as experiências vividas são cumulativas. É impossível que não sejam. O que já vivemos não pode ser apagado, quer tenha sido bom ou ruim; mas os fatos passados precisam estar na memória e proibidos de interferirem negativamente.

Temos vivido com pouca qualidade, e com tendência a piorar, porque não estamos sabendo dosar a ansiedade, a quantidade de trabalho, a preocupação e as várias cobranças que temos assumido como rotina para nossa vida.

Para contribuir com a filosofia de não acumular nem atribuir pesos necessários aos nossos dias, uma frase cantada na música Mais uma vez, e que cabe muito bem neste contexto:

“Espera que o Sol já vem.”

É importante ressaltar que se trata do esperar sem conformismo, e usando a esperança. Esperança de que dias melhores virão, com novidades e aprendizados; esperança de que o mau tempo caído ou recaído seja passageiro; certeza de que os dias ruins serão sucedidos por tréguas, por que a vida também sabe ser generosa e pode fazer isso por todas as pessoas.

Se a vida está difícil hoje, ou se daqui uns dias você a sentir assim, saiba consigo que a espera sempre compensa, e que a luz logo estará de volta. Ninguém está condenado a viver dias escuros para sempre. Pode acreditar, por mais impossível que isso possa aparecer, o seu sol sempre virá e te fará sorrir e acreditar de novo. Até porque, você merece que seja assim!

Por: Alessandra Piassarollo

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Alessandra Piassarollo
Administradora por profissão, decidiu administrar a própria casa e o cuidado com suas filhas, frutos de um casamento feliz. Observadora do comportamento alheio, usa a escrita como forma de expressar as interpretações que faz do mundo à sua volta. Mantém acesa a esperança nas pessoas e em dias melhores, sempre!