“Meu divórcio veio para mim como uma completa surpresa. Isso é o que acontece quando você não está em casa há 18 anos.” – Lee Trevino, jogador de golfe profissional do Hall da Fama

Como a citação acima demonstra, Lee Trevino é conhecido por discutir vários tópicos delicados com uma delicada mistura de compaixão e senso de humor.

Agora com 77 anos, Trevino é casado com sua segunda esposa, Claudia Bove, há 23 anos. Para muitas pessoas divorciadas, falar sobre como sua experiência não é nada engraçado. O mesmo vale para os advogados de divórcio, que muitas vezes carregam o peso dos erros passados de um casal.

Um ex-advogado de divórcio colocou desta forma:

“Quando comecei a praticar, percebi algo muito rapidamente – eu poderia passar sem o drama, as brigas e a bagagem que as pessoas estavam trazendo para o caso. Eu me vi usando minhas habilidades de psicologia tanto quanto minhas habilidades jurídicas… não obtive a satisfação… e não senti que estava ajudando as pessoas de uma maneira positiva.”

Um advogado de divórcio talvez seja a única pessoa, além do próprio casal, a testemunhar a natureza feia do desapego humano. No entanto, esses profissionais possuem amplo conhecimento sobre esse assunto sensível.

Então, por que quase metade de todos os casamentos terminam em divórcio?

Aqui estão os 7 principais contribuintes para um casamento fracassado, de acordo com advogados:

1. O silêncio

Correndo o risco de parecer óbvio demais, uma boa comunicação é vital em um casamento. Quando esse fator de comunicação tão importante se deteriora, é comum que um ou ambos os parceiros fiquem em silêncio.

De acordo com os advogados de divórcio, esse “tratamento silencioso” ocorre com muito mais frequência em um casamento fracassado.

Evie Jeang, uma das mais proeminentes advogadas de divórcio nos Estados Unidos, afirma: “Este é essencialmente o beijo da morte para os casais porque leva a sentimentos de ressentimento.”

2. Comportamento controlador

Tentar controlar o cônjuge, independentemente do assunto em questão (por exemplo, ficar fora de casa até tarde, casa desarrumada etc.), não é um bom sinal para o relacionamento. Junte isso ao fato de que indivíduos controladores raramente mudam seu comportamento, e fica claro por que a coabitação com essa pessoa é difícil.

Controlar o dinheiro negando ao parceiro o acesso ou informações sobre contas bancárias, linhas de crédito, etc., também pode contribuir para um eventual divórcio.

3. Comportamentos viciantes

Joan Bibelhausen, advogada de família, em um artigo escrito na Family Lawyer Magazine, afirma “No direito de família, o vício em álcool, drogas ou comportamentos compulsivos, como jogos de azar, estão presentes em uma quantidade significativa de casos”.

A dependência de álcool e drogas é uma condição tratável; no entanto, o número de viciados não tratados excede em muito o número de reabilitados. O vício – e suas consequências negativas – muitas vezes é demais para o outro lidar.

4. Problemas de dinheiro

Idealmente, qualquer coisa relacionada a finanças é discutida antes do casamento, mas muitas vezes não é. Talvez mais prejudicial do que quaisquer potenciais repercussões financeiras, seja a percepção de quebra de confiança.

Durante o casamento é quando ocorrem muitos problemas de dinheiro. Gastar muito, fazer compras secretas, estourar cartões de crédito, contas atrasadas – todos são motivos potenciais para um parceiro considerar o divórcio.

5. Falta de interesses comuns

“Os opostos se atraem” não significa necessariamente “os opostos se atraem”.

Lisa Meyer, advogada de divórcios, diz: “Embora seja verdade que os opostos se atraem, não assuma que as qualidades pelas quais você se apaixonou vão manter um casamento unido”.

Diferentes tipos de personalidade geralmente gostam de coisas diferentes. Quando há uma grande “diferença de interesse” entre duas pessoas, elas passam mais tempo separadas, o que nos leva a…

6. Uma sensação de separação

É típico no casamento experimentar emoções polarizadoras; entre eles está uma sensação de proximidade e distância. Quando essa dinâmica subsiste em intervalos razoáveis, pode realmente ser percebida como um bom sinal. A paixão e o cuidado genuíno um pelo outro são muitas vezes evidentes durante esses tempos.

No entanto, é a sensação “rastejante” de distância que muitas vezes significa o fim de um casamento. Muitos componentes do relacionamento, alguns deles mencionados nesta lista, podem desencadear essa lenta evolução da separação.

7. O trabalho em primeiro lugar

“A família vem em primeiro lugar” é um axioma testado e comprovado de casais e famílias felizes. Quando metade do casamento de repente se torna um trabalhador sem limites, pode ser um mau sinal. As circunstâncias que cercam tal comportamento, em última análise, determinam o resultado do relacionamento.

Sem surpresa, a comunicação eficaz é vital; quando a outra metade começa a passar uma quantidade desproporcional de tempo no trabalho, sem explicação, as chances de divórcio aumentam significativamente.

Por Power of Positivity

Traduzido e Adaptado por Equipe Sábias Palavras

Imagem de Capa: Reprodução

VEJA TAMBÉM






Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!