O amor de nossos pais é algo que a sociedade vê como outro de nossos “direitos inalienáveis” como filhos. A sociedade tende a preferir criar a visão de mundo de que todos os pais amam seus filhos, sabem como demonstrar esse amor e sabem a melhor maneira de criar cada filho individualmente.

Assume-se que cada pai é um adulto maduro e responsável, sem quaisquer problemas emocionais passados que afetem sua paternidade.

Infelizmente, isso não é frequentemente o caso. Os pais são humanos. Eles cometem erros. Eles têm suas próprias visões do mundo e o que é paternidade adequada. Todos os pais têm fraquezas e questões não resolvidas; alguns podem lutar com doenças mentais, vícios, distúrbios de personalidade, feridas emocionais ou mais.

Os resultados de pais que lutam para se manter – muito menos para criar membros saudáveis da próxima geração – são crianças muitas vezes deixadas para cuidar sozinhas. Eles não apenas devem aprender a lidar com os pais, mas também aprender a socializar, lidar com suas próprias emoções, formar sua visão do mundo e adotar a moral adequada.

“As crianças são excelentes observadores, mas péssimos intérpretes”, o que significa que eles veem tudo, mas não conseguem entender ou ter a sabedoria de colocar em perspectiva. Sem alguém para ajudá-lo a fazer isso, sua visão do mundo (e de si mesmo) fica distorcida.

As mulheres, geralmente o sexo mais sensível emocionalmente, carregam suas emoções da infância com elas por muito mais tempo do que a maioria dos homens.

Isso não quer dizer que os homens não carregam consigo as feridas da infância, mas que tendem a abordá-las de maneira mais pragmática à medida que envelhecem.

As mulheres, no entanto, carregam a dor com elas por muitos anos. Isso afeta todos os seus relacionamentos até que eles finalmente se curem.

Aqui estão 5 feridas emocionais que as mulheres carregam nos relacionamentos quando não são amadas quando crianças:

1. Problemas de conexão:

Uma criança criada com um pai que responde com amor, apoio e cuidado verá relacionamentos e apegos como algo bom e seguro. Uma criança criada onde os pais não demonstram afeto ou são inconsistentes em sua disponibilidade para a criança, aprende que “não se pode confiar nas pessoas”.

Ela está aprendendo que os relacionamentos não são seguros ou consistentes; eles podem mudar em você rapidamente. Para uma criança que precisa de feedback emocional e afeto, isso é devastador.

Ela cresce constantemente buscando essa conexão, mas ensinando a si mesma a permanecer totalmente autossuficiente. Os relacionamentos a deixam ansiosa e incerta, pois ela sempre espera que a rejeição surja em seu caminho.

2. Questões de Confiança:

Uma criança criada com um pai que se coloca à disposição e ajuda a criança a entender e resolver até mesmo problemas simples torna-se confiante de que os outros estão lá para ela.

Uma criança criada com um pai que a afasta deve aprender a lidar com as coisas sozinha; se esse pai está completamente ausente, muitas vezes ela descobre que não pode confiar nos outros. Ela aprende que as pessoas não vão protegê-la ou ajudá-la e que os relacionamentos não são seguros.

3. Dificuldade com Limites:

Um pai equilibrado entende a importância de ensinar a seu filho que todos merecem seu próprio espaço e tempo; cada indivíduo é seu próprio ser e tem necessidades diferentes que devem ser respeitadas.

Um pai desequilibrado não dá espaço suficiente ao filho. Ela tratará a criança como se apenas suas necessidades importassem. À medida que a criança cresce, ela valoriza sua independência e espaço mais do que a média, enquanto sente a necessidade de agradar a todos.

Ela também interpreta mal as necessidades de espaço dos outros. Ela acredita que os outros a estão rejeitando se não a querem por perto o tempo todo.

4. Dominada pelo medo do fracasso:

Um pai deve ensinar seu filho que o fracasso é normal e é apenas um revés, não um destino. Um pai desequilibrado pode ser hipercrítico ou punitivo se certas expectativas não forem atendidas.

Há também situações em que os pais não dão atenção, a menos que as coisas sejam feitas de acordo com suas expectativas. Isso deixa a criança sentindo que, se ela não tiver um desempenho muito bom, ela não merece amor ou aprovação.

5. Pobre senso de si mesmo:

Um pai deve mostrar aprovação e atenção consistentes a uma criança para que ela aprenda que ela é amável e boa do jeito que é. Um pai insalubre e hipercrítico que não faz elogios ou mostra afeto está ensinando a criança a duvidar de que ela é digna de amor e atenção e não deve fazer as coisas direito. Essencialmente, ela se sente defeituosa.

Essas feridas emocionais podem se mostrar de várias maneiras.

Os resultados dessas feridas emocionais podem diferir dependendo se as feridas foram causadas pela mãe ou pelo pai.

Algumas feridas de pais desatentos podem se mostrar como:

Mais propensas à depressão: Muitas mulheres têm dificuldades com relacionamentos românticos devido ao mau relacionamento com seus pais. Afeta severamente sua autoestima e pode levar à depressão devido à tristeza que elas não sabem como lidar.

Mais propensas a transtornos alimentares: Filhas sem uma figura paterna forte têm duas vezes mais chances de desenvolver obesidade. Essencialmente, eles preenchem o vazio do vazio com comida. Outros podem tornar-se anoréxicos ou bulímicos. Eles pensam que se fossem magros o suficiente, “papai teria me amado”.

Mais propensas a relacionamentos sexuais precoces: Muitos estudos mostraram que uma menina que não tem o afeto de seu pai é mais propensa a tentar obter a aprovação de um homem por meio de relacionamentos sexuais.

Mais propensas ao vício: De acordo com o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, uma criança sem pai tem 69% mais probabilidade de usar drogas e 76% mais probabilidade de cometer crimes. Uma filha é mais propensa a recorrer a drogas para anestesiar a dor.

Como curar não ser amado

Seria maravilhoso se pudéssemos voltar ao nosso passado e recriar a infância amorosa com a qual sonhamos, onde pudéssemos experimentar amor, aprovação e segurança como tantos outros.

Em vez disso, somos impelidos a continuar pela vida e fazer o melhor dela. Talvez essa seja a melhor maneira. Afinal, você não seria a pessoa que é sem passar por suas experiências.

Seu nível de empatia, cuidado, sensibilidade e resiliência não seria o mesmo. É possível se curar desses eventos passados e se tornar um você mais saudável e mais forte. Aqui estão alguns passos para ajudá-lo a curar seu filho não amado interior:

Escreva sobre isso.

Conte sua história. Ao escrever, dá-lhe a oportunidade de lhe dar estrutura e organização – para recordar eventos completos, não apenas as emoções que sobraram. Ela ajuda você a ganhar perspectiva e também permite que você coloque as emoções para fora.

Olhe através de fotografias antigas.

Muitas vezes nos lembramos de nós mesmos como a criança que nos disseram que éramos e não a realidade. Por exemplo, uma criança que foi informada de que era gorda pode voltar e ver que, na verdade, ela tinha aproximadamente o mesmo tamanho que as outras crianças.

Uma criança que ficou ferida emocionalmente ao ser informada de que era estúpida pode ver boletins antigos onde recebeu alguns A, alguns B e um ocasional C. Isso permite que você veja a realidade de si mesmo e fique mais ciente de como essa mentira criou comportamentos que não têm base.

Reavalie seus relacionamentos atuais.

Se você tem uma amizade ou relacionamento sexual que está deixando você se sentindo mal consigo mesmo, olhe para isso. Olhe para o que está atraindo você para eles.

Você está apenas reforçando a visão que seus pais têm de si mesmo através dessa outra pessoa? Você tem forças para deixá-los? Você tende a dar mais aos outros do que pede em troca? Talvez faça uma lista do que você gostaria nos relacionamentos e, passo a passo, leve-os a um maior equilíbrio.

Aceite a realidade do seu passado e construa novos limites com seus pais.

Ser capaz de assumir o controle de seu relacionamento atual com seus pais é tão importante quanto os outros em sua vida. Faça uma lista de onde as ações de seus pais/pais interferem em sua vida de forma dolorosa ou injusta.

Em seguida, faça uma lista de regras que você pode estabelecer para mudar isso. É verdade que este não é um processo fácil e trará à tona velhas dores dessas feridas emocionais.

Retomar o controle que você não tinha quando criança com seus pais é muito terapêutico se feito de maneira calma, mas firme. Há um empurrão e um puxão, pois vocês dois cairão em padrões antigos, mas é possível. Se possível, certifique-se de ter um bom sistema de suporte com você também.

Por Power of Positivity

Traduzido e Adaptado por Equipe Sábias Palavras

Imagem de Capa: Pexels

VEJA TAMBÉM






Relaxa, dá largas à tua imaginação, identifica-te!