Fica com quem te ache interessante, mesmo quando não for mais novidade

Escrito por Marcel Camargo, colunista do Sábias Palavras.
Veja mais sobre Marcel clicando aqui.

 

Não merece ficar junto quem não faz a menor questão de estar ali, quem não demonstra um mínimo de consideração por tudo o que fizemos, por nada do que somos. Que vá embora quem fica sem estar de verdade!

Somos movidos por alcançar o que ainda não temos, por chegar aonde nunca fomos, por sentir o que nos é novidade. O novo atrai, desperta interesse, fascina, no sentido de que se incomodar com o cômodo é o que move a renovação dos sonhos e esperanças do movimento contínuo das vidas. No entanto, dentro de nós, há necessidade de mantermos algumas permanências que nos sustentam o equilíbrio e a serenidade com que devemos pautar nossa jornada diária.

Alguns sentimentos, emoções e determinadas pessoas devem ter um lugar permanente em nossas vidas, mesmo que mudemos para outros lugares, mesmo que partamos para novos projetos, mesmo que o mundo lá fora nos intime a experimentar algo novo e supostamente melhor. Sempre será necessário voltarmos os olhos para dentro de nós, para nos certificarmos de que muito do que já faz parte de nossa jornada, do que temos conosco, é imprescindível ao nosso respirar com alento e serenidade.

Da mesma forma, teremos que prestar atenção ao que realmente significamos na vida de alguém a quem nos entregamos, para percebermos se somos prioridade na vida do outro. Não no sentido de que ele deva nos idolatrar acima de tudo, mas sim se os seus olhos nos procuram com necessidade íntima, se somos parte integrante em suas lembranças, se nossas mãos se entrelaçam com calor humano em momentos de ternura vívida.

Assim como temos que regar e alimentar os nossos sentimentos para com as pessoas, é necessário que sintamos a mesma atitude por parte do outro, pois nenhum relacionamento sobrevive de um lado só. Aguardarmos o dia todo por alguém que mal chega ao nosso lado e não tira os olhos do celular, da televisão ou de dentro de si nos destitui de quaisquer traços de significância, de dignidade, de valor próprio.

Não deixemos ir embora quem esteve ao nosso lado sob chuvas e trovoadas, quando ninguém mais havia ao redor, quem sempre achava um jeito de nos trazer um sorriso, de nos levantar os ânimos, de nutrir admiração real. Mas também não deixemos ficar junto quem não faz a menor questão de estar ali, quem não demonstra um mínimo de consideração por tudo o que fizemos, por nada do que somos. Que vá embora quem fica sem estar de verdade.

Fiquemos com quem dorme e acorda ao nosso lado notando a nossa presença, pois, caso insistamos em permanecer onde predomina o vazio, acabaremos nos afastando de qualquer chance de realizarmos os nossos sonhos de vida. Ninguém, afinal, há de merecer perder-se no vazio de uma entrega solitária, pois sempre encontraremos alguém a quem seremos interessantes ao longo do tempo, sem desculpas, sem demoras. É aí que deveremos, então, estacionar a nossa alma.

TEXTO DEMarcel Camargo
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS