Sua felicidade não depende do outro

Muitos solteiros sofrem consideravelmente pelo seu status de relacionamento. Este sofrimento, frequentemente, não se dá pela falta de alguém, mas por um sentimento de inadequação e desvalorização. Para estas pessoas, “ter” alguém significa adequação social, enquanto estar sozinho parece carregar um estigma de não ser bom o suficiente para conseguir alguém.

Uma certa independência emocional é necessária para se entender que a nossa felicidade não depende do outro. Expressões como “cara-metade” e “alma gêmea” revelam a popular fantasia de que alguma pessoa pode ser capaz de completar o que falta em nós.

Em grande parte, esta busca desesperada para encontrar alguém reflete uma grande dificuldade de estar consigo mesmo. Um indicativo disto é prestar mais atenção a casais felizes quando se está solteiro e prestar mais atenção a solteiros felizes quando se está comprometido. O único resultado disponível para quem busca fora o que só pode ser encontrado dentro de si é a insatisfação permanente.

É preciso que se acabe com a ideia de que uma pessoa é incompleta e depressiva por viver sozinha. Alguém com suficiente independência emocional pode perfeitamente ser solteiro por escolha própria, dedicando-se aos seus projetos pessoais e sentindo-se realizado. Sou um grande fã do maestro Tom Jobim, mas penso que ele estava equivocado ao sentenciar que “é impossível ser feliz sozinho”.

Prefiro acreditar em Fernando Pessoa quando disse “A liberdade é a possibilidade do isolamento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo.”

Trecho de texto retirado do Sobre Psicologia 

COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS