SOBRE ERROS E ACERTOS

Sabe o dia que nos conhecemos? Que já rolou um clima, mas a gente achou que ia ficar por ali? Sabe a primeira vez que ficamos?
Que a gente achou que aquele perfume diferente não ia sair da mão e na verdade não teria problema nenhum se não saísse? Sabe a primeira vez que saímos juntos? Que nossos amigos pareciam ter mais certeza de nós dois do que nós mesmos?

 

E aquele dia que você tinha que ir embora cedo, mas acabou quase virando a noite comigo? Você lembra? Como seria nosso primeiro ano se nós dois não tivéssemos dispostos a mudar o rumo de nossas vidas planejadas? Olhando pra trás, aqueles planos solitários não fazem tanto sentido mais não é mesmo?
Você se lembra do dia que você me deu um presente e eu só sabia ficar com vergonha porque eu estava recebendo alguma coisa que tinha sentimento além de algo material? Além disso tudo, também me lembro dos nossos primeiros conflitos.
Coisas bobas, coisas pesadas… Machucados e arranhões em formato de palavras e atitudes. Porém nós sempre tivemos o melhor remédio de todos. O diálogo. Aquele santo remedinho que mexe na ferida, cutuca, dói, tira lágrimas, mas depois cura.
E tem também aquele segundo melhor remédio. O remédio da mudança. Os primeiros erros nós corrigimos e nos fortalecemos. Aquela boa e velha busca incansável de nos tornarmos melhores um pro outro. Eu sei que você tem defeitos que eu não conheço. E eu sei que eu tenho defeitos que ainda não demonstrei.
Mas tudo que quero é que eu esteja preparado para tratar desses defeitos e erros para que eles não se repitam ou não te machuquem mais. Eu não sou o mesmo. Você também não. Agora sei que você não gosta de Talento Branco, mas adora Ouro Branco.
Eu acredito que estou pronto pra discutir sobre qual sabor de suco comprar pra nossa dispensa. Pode ter certeza. Vou me esforçar pros meus erros não te machucarem mais.
COMPARTILHAR




COMENTÁRIOS