Ser mulher é…

Mu

lher não é aquele corrimão que você passa e corre. Também não é aquele objeto que você larga na sua instante. Muito menos aquela peça de roupa mofando no seu guarda-roupa. Sei que existe algumas mulheres que não fazem jus ao real significado de ser mulher, mas as exceções… Ô mulherada de dar orgulho!

Tem mulher de risada estranha, personalidades tripolares, inseguras, exigentes, chatas, simpáticas até demais, que não dispensa uma cerveja, que não falta numa missa, que sonham em casar, que sonham em viajar o mundo. Tem as tímidas esbanjando um charme natural, as antipáticas que dão bom dia com um sorriso forçado, as que não sabem demonstrar o que sente e as que sabem demais. Tem as que pagam mico por serem distraídas de nascença, e que as se aperfeiçoaram em serem desastradas.

Existe mulher fina, que não deixa de ser chique nem na hora do sexo. Existe mulheres bem resolvidas, saem de qualquer jeito. Penteiam o cabelo rapidinho, pega o primeiro tênis e a primeira calça que veem, porque qualquer jeito tá bom. Existe mulheres vaidosas ao extremo, saem pra comprar pão bem cedinho na padaria com vestido, colares, brincos e batom. Existem mulheres que não largam o jeans. Nunca! Casa, trabalho, jantar, balada, bar, mercado, shopping, restaurantes. E ainda assim, continuam lindas. Existe as mulheres tatuadas, que são esposas, mães e com caráter que muitas não possuem. Existe as nerds, que só pensam em seriados, quadrinhos, RPG, filmes, uma boa música, um bom filme e tão se fodendo pro que acham dela. E existem as mulheres loucas, que são todas.

Nascemos predestinadas a deixar o mundo mais divertido, com nossos surtos, neuroses, chatices, manias. Sim. Por que não? Somos doidas, fantasiosas, exageradas, dramáticas e acima de tudo: fascinantes. Dentro todos os tipos de mulheres que existem, não importa qual, nascemos destinadas a acreditar no amor. Desde bem cedo sonhamos com nosso príncipe no cavalo branco, ou com um Brad Pitt de Camaro, ou com um barbudo de skate. Tanto faz. O que importa, é que desde sempre, tentamos ser nós mesmas, com estrias, celulites, cutículas e olheiras. Pra vir alguém dizer que não podemos ser assim, porque é feio. Feio é você! #ProntoFalei

Mulher não é puta porque transa no primeiro encontro, não é mal amada porque te dispensou, nem santa porque vai à Igreja. Não é gorda porque come demais, nem magra porque de come de menos. Não é chata porque reclamou da música que sempre toca no seu carro, nem relaxada porque prefere sair de chinelo. Mulher é muito mais que um sapato alto, é meia furada também. É muito mais que um batom vermelho, é manteiga de cacau numa manhã de inverno. É muito mais que um vestido curto no sábado à noite, é pijama de bolinha com filme e pipoca. É muito mais que elegância, é peido. É, aceita. Mulheres peidam! Mulher não é só decote, é moletom também. Mulher não é aquilo que você usa, abusa e joga fora. Mulher é outra coisa…

__________
Escrito por Ana da Mata
Publicado em Superela

COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS