Voltei pra casa com gosto de você na boca. Teu cheiro ainda está na minha pele, tua voz ainda ecoa na minha mente e agora fico aqui jogado na cama, procurando teu peito para me perder outra vez. Foi procurando teu olho pra olhar no meu que me vi em chamas. Foi buscando tua mão de olhos fechados que me achei com asas e sorriso bobo.

E dei sorriso bobo quando olhei tua foto no celular. Aquela selfie do instagram na hora de dormir. Aquela hashtag perdida na legenda, aquele abraço perdido no escuro. Se amor tiver nome, quero chamar de nós dois. E dei nó de nós no meu coração, quis marcar na pele como ficaram as marcas das tuas unhas nas minhas costas e da tua boca no meu pescoço. Te adoro mais ainda por dizer que sente saudade da minha barba na tua nuca.

E que seja assim, porque se não for, nem quero. Fogo de isqueiro só serve pra acender beck de ontem. Pra hoje, quero acender esse fogo de fogueira junina, essa explosão no céu de ano-novo. Pra que enfiar a pontinha do pé na praia se eu posso mergulhar nesse lago? Quero te nadar de braçadas, quero saltar no teu quadril e cair de cabeça no teu mundo. Cheguei de paraquedas, já não sou mais o mesmo. Mas se não for pra pular, nem chego perto do abismo.

Porque eu sou assim mesmo, intenso. E se não for pra arrepiar a pele, eu nem quero. Quero sentir teus pelos subindo enquanto minhas pontas de dedo percorrem o teu ser. E quero percorrer cada vírgula do teu texto, cada verbo do teu dicionário, cada predicado do teu sujeito. Porque teu ser e o meu combinam. Você sabe. Eu sei.

E de objeto direto, não te jogo indiretas. Quero amor, te amar, ser amado e ser sincero. Dos dias que amanhecemos de papo furado. Dos dias que amanhecemos falando dos nossos sonhos. Dos dias em que falamos sobre nossos medos. Dos dias em que fui seu. Dos dias em que fostes minha. Porque se não for para sermos juntos, não quero que sejamos. Somente você em mim e eu em você.

Cansei de entrar em roda de jogo e não jogar. Cansei de meios tempos, meias palavras, meios sentimentos e meias emoções. Eu quero sentir a boca seca, eu quero sentir o suor no rosto.

Porque se não for para ser assim, nem quero. Se não for pra ficar de perna bamba, nem quero que a gente foda. Se não for pra me jogar de cabeça de amor, nem quero me apaixonar. E se não for pra perder o ar enquanto escrevo esse texto, melhor eu parar por aqui.

 

Escrito por Denis Araújo.

COMPARTILHAR


RECOMENDAMOS