As pessoas caladas costumam passar despercebidas. Poucas vezes se considera o que há por trás da sua aparência serena, recatada e silenciosa. São pessoas observadoras, exploradoras dos sentidos que se conectam de forma mais intensa com a realidade, com os pequenos detalhes e com os mundos sensíveis que escondem universos variados e apaixonantes.

Cada um de nós processa a informação de forma diferente, já sabemos disso. Contudo, às vezes ignoramos que essas diferenças estão ligadas principalmente ao nosso próprio estilo de personalidade. Segundo Marti Olsen Laney, autora do livro “The Introvert Advantage”, as pessoas caladas, as que respondem a um perfil introvertido, o fazem de uma forma mais pausada, mais meticulosa e profunda.

“O silêncio é o grande elemento onde as grandes coisas se formam.”
-Thomas Carlyle-

Isto é assim por uma razão muito simples, e ao mesmo tempo fascinante. Todo estímulo no cérebro da pessoa introvertida realiza um complexo percurso vinculado à memória emocional, à análise e ao planejamento. Por outro lado, as pessoas mais extrovertidas têm uma tolerância à sensibilidade um pouco menor aos estímulos, e são mais rápidos na hora de lançar uma resposta ou começar um processo.

Não se trata, de forma alguma, de exaltar um estilo de personalidade em detrimento de outro. De fato, a maioria de nós pode ter traços de ambas dimensões, embora estejamos mais próximos de uma delas. O que queremos dizer com isto é que mesmo hoje em dia, esse silêncio da pessoa introvertida continua sendo mal interpretado e inclusive ignorado nos centros educacionais. Vejamos como é isto.

Pessoas caladas, aves estranhas em um mundo de extrovertidos

Todo dia, professores e educadores veem nas suas salas de aula esses alunos que, sentados nas últimas fileiras, passam a aula inteira em silêncio, absorvidos em um ponto da aula ou rabiscando secretamente em seus cadernos. Não gostam de responder em voz alta as perguntas, nem de interagir nas lições. Não funcionam dessa forma. Contudo, os centros educacionais, e inclusive as universidades, continuam valorizando o aluno que participa, que disserta, que levanta a mão e contagia entusiasmo e interesse com a sua atitude.

O estereótipo que junta extroversão com êxito ou eficácia continua muito arraigado em nossa mentalidade e sociedade. Os especialistas em psicologia social, por exemplo, apontam que nestas últimas décadas o perfil da pessoa extrovertida, carismática mas ao mesmo tempo egocêntrica e pouco sensível às necessidades alheias, continua aumentando com muito mais força nossos contextos profissionais e nas elites políticas.

É como se o ideário coletivo valorizasse esses traços comportamentais e de personalidade como eficazes sem chegar a ver realmente o desempenho produtivo, ou a capacidade de criar um clima de harmonia entre os grupos de trabalho. Contudo, e aqui vem o mais contraditório, as atuais pesquisas sobre liderança mostram que as pessoas introvertidas, caladas, reflexivas e pacientes, propiciam um rendimento muito mais elevado e um entorno humano mais agradável.

Por outro lado, a professora e pesquisadora Francesca Gino, da Universidade de Harvard, realizou uma pesquisa onde demostrou que os líderes com perfil de personalidade introvertida não predominam atualmente. São aves estranhas em um mundo onde continua triunfando a extroversão. Contudo, naqueles contextos profissionais onde a diretoria conta com líderes com estilo tranquilo, reflexivo e ao mesmo tempo sensível, isso age como grande facilitador na hora de potencializar as aptidões dos seus funcionários.

Os funcionários são muito mais proativos, mais criativos e se sentem mais felizes, porque esse líder introvertido lhes traz confiança e novas oportunidades.

As pessoas caladas e suas mentes

As pessoas caladas não são necessariamente tímidas. São tranquilas, têm outro ritmo, outros tempos e outras necessidades. Para elas, o mundo anda às vezes rápido demais e não conseguem analisar cada aspecto, cada detalhe, como gostariam. Porque cada nuance da sua realidade precisa passar primeiro pelo filtro das emoções, e tal delicadeza, tal meticulosidade leva seu tempo, sua linguagem, sua arte.

Há quem encare o silêncio como uma coisa incômoda e insuportável… Talvez seja porque tem muito ruído no seu interior.

As pessoas caladas não se sentem confortáveis sendo o centro da atenção. Não são o satélite de ninguém e preferem transitar em espaços privados, às vezes até solitários. Este estilo de comportamento pode suscitar certa estranheza diante dos olhares alheios, por isso, muitas vezes as pessoas mais silenciosas são rotuladas como tímidas, desconfiadas, reservadas ou com falta de interesse. Contudo, é importante saber que este estilo de personalidade esconde seus tesouros e suas belezas nas profundezas.

Vejamos agora com detalhe quais são as suas características.

As 5 características das pessoas silenciosas e introvertidas

Antes de mais nada é importante ressaltar aqui a abundante bibliografia que existe a respeito deste tema. Livros como “O líder introvertido: aproveite o seu talento silencioso” de Jennifer B. Kahnweiler, são exemplos interessantes com os quais ampliar o nosso conhecimento sobre este perfil de personalidade.

Não obstante, e em linhas gerais, estas seriam algumas características básicas sobre a mente das pessoas mais reservadas e silenciosas.

  • Pensam antes de falar. São cautelosos na hora de comunicar, sabem ouvir, refletir, e respondem mais tarde.
  • Não gostam da superficialidade. O seu foco de interesse navega nas profundezas da realidade, são criativos, gostam de relacionar ideias, conceitos, são sonhadores e costumam falar com eles mesmos o tempo todo.
  • As pessoas caladas costumam se caracterizar por uma boa autoconfiança. Não se deixam levar por opiniões alheias, têm valores sólidos e ideias claras.
  • Preferem escrever para comunicar. Sentem-se mais confortáveis com a palavra escrita.

Por fim, como dissemos anteriormente, a solidão é um refúgio comum na pessoa introvertida. Contudo, cabe apontar que não a procuram como mecanismo de fuga, e sim como espaço para recuperar a energia e a clareza quando o mundo as satura com seus estímulos, suas vozes, sua pressa e seus rumores.

Porque no fim das contas, as pessoas caladas são cúmplices da sabedoria que nasce da reflexão, da imaginação, e acima de tudo, do tranquilo silêncio.

FONTEA Mente É Maravilhosa
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS