O que é escrever?

Escrever é ler o mundo com os olhos da singularidade. É escancarar as portas do seu universo. É mergulhar no caos e na dúvida constantes. É derrubar certezas, dizer o que muitos já sabem de uma forma única, capaz de tocar o outro. É colocar o dedo na garganta e em todas as feridas do corpo. É conseguir extrair beleza da dor, e transmití-la da forma mais doce possível.

Escrever é dizer o que pensa. É provocar. É incentivar o leitor a sair da zona de conforto. É dar a cara à tapa. É ser submetido às interpretações alheias, é ser julgado por cada letra proferida. É ser ora idealizado, ora crucificado. É estar eternamente na mira do leitor, que dá o sentido que bem deseja para as suas palavras.

Escrever é também um dos melhores exercícios de empatia. Fazer alguém desconhecido identificar com o que você escreve é uma tarefa que só quem literalmente se coloca no lugar do outro – e sente as suas dores e alegrias – consegue realizar. Mas quando você se propõe verdadeiramente a isso, se surpreende com essa capacidade incrível.

Escrever é saber dizer e mostrar, ter noção do melhor momento para cada um e com a mais absoluta genialidade, equilibrar os dois, quando necessário.

Escrever é criar as próprias regras, e quebrá-las quando você menos espera. É conhecer a técnica, mas nunca se apegar a ela. É não permitir se engessar na literatura. A arte não combina com paradigmas.

Escrever é contar histórias incríveis e hipnotizantes. É um exercício constante de criatividade, que nos desperta a vontade de viver cada vez mais experiências fora da caixa. Quem vive intensamente, escreve melhor.

Escrever é reinventar-se a todo momento. É receber críticas, aprender a lidar com os erros e acertos, é ressignificar-se através das letras, símbolos e números.

Escrever, acima de tudo, é uma forma de cativar o leitor. E quase sempre as palavras mais simples são aquelas que mais carregam significado.

Escrever é sentir medo todos os dias, e ter uma vontade maior ainda de lançar suas palavras no mundo.

Vivo, logo escrevo. Escrevo para sossegar e para desassossegar também. Escrevo porque respiro, respiro porque sou capaz de escrever.

Escrito por Aline Xavier, colunista do Sábias Palavras.

Escritores-01

FONTESábias Palavras
TEXTO DEAline Xavier
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS