O que a Beyoncé pode nos ensinar sobre o feminismo em apenas uma música – uma aula e tanto!

Em meados de março de 2014, assim que a bomba da pesquisa de que “Para 58,5% dos brasileiros, comportamento feminino influenciava estupros” foi divulgada pelo Ipea, conheci a musica Flawless da cantora Beyoncé.

 

Para quem não se lembra a pesquisa errônea causou alvoroço no país inteiro e, como já era de se esperar, tomou proporções gigantescas, principalmente nas redes sociais. O resultado dessa pesquisa gerou vários movimentos, protestos e, por incrível que pareça, apoios ao resultado também. O que acabou levantando diversos outros temas sobre direitos, deveres e comportamento atual das mulheres.

Lembro que fiquei orgulhosa de muita coisa que li. Mas lembro também que conheci lados obscuros, ignorantes e totalmente primatas de algumas pessoas que eu nunca imaginaria.

E dentre todo o blá blá blá, os discursos de ódio, de amor e de gente que não tinha nem visto a pesquisa mas que urraaaaava que mulher tinha que se dar valor, fiz o seguinte post no meu Facebook:

“Em meio a tantos textos, críticas, apoios (ridículos, por sinal) e discussões sobre o resultado da pesquisa do IPEA que levantaram diversos outros assuntos baseados nos direitos, deveres e comportamento atual das mulheres, consigo traduzir meu ponto de vista em um simples trecho musical. Obrigada Beyoncé.

“Nós ensinamos as meninas a se retraírem, para diminuí-las.

Nós dizemos para as garotas:

“Você pode ter ambição – Mas não muita.

Você deve ser bem sucedida – Mas não tão bem sucedida assim,

Caso contrário, você ameaçará o homem”

Porque eu sou uma FÊMEA, esperam que eu deseje me casar.

Esperam que eu faça as minhas próprias escolhas na vida, sempre tendo em mente que o casamento é o mais importante.

O casamento pode ser sim uma fonte de alegria, amor e apoio mútuo.

Mas por que nos ensinam a aspirar ao casamento e não ensinam a mesma coisa aos meninos?

Educamos as garotas a se verem como concorrentes, não por emprego ou por realizações, o que eu penso que pode ser uma coisa boa, mas sim pela atenção dos homens.

Nós ensinamos as garotas que elas não podem ser seres sexuais da mesma forma que os garotos são.

Feminista – a pessoa que acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos.”

Esse trecho era perfeito! Traduzia de forma simples tudo o que eu preguei e pratiquei minha vida inteira. Tinha ganhado minha voz, agradeci a Beyoncé e vivi feliz para sempre!

#SQN

Pois como a vida não se resume a um conto de fadas que termina após um belo post explicativo no Facebook, os dias passaram. Passaram até que hoje, mais de um ano depois, me peguei no YouTube vendo um discurso intitulado “We should all be feminists” (Todos nós devemos ser feministas), da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adiche na conferência TEDxEuston.

Sabia que conhecia aquela voz de algum lugar… Comecei a vasculhar, inconscientemente na minha péssima memória até que as palavras “feminist the person who believes in the social political and economic equality of the sexes” atingiram o sininho na minha cabeça: era ela! Aquela era a voz do discurso de Flawless!

Em exatamente 30 minutos Chimamanda dá um show sobre feminismo e faz muita gente tirar da cabeça aquela antiga ideia de que “feminista” é uma mulher rancorosa que sai por ai queimando sutiã. Vale o clique, é realmente inspirador!

 

 

 

COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS