O cheiro do seu cangote

Sorte a minha.

 

A tal organização que listou as sete maravilhas do mundo cometeu um grave erro. Entre o Taj Mahal, a Muralha da China e as Pirâmides do Egito faltou constar uma maravilha absolutamente evidente e indispensável.

Faltou constar essa coisa maravilhosa, deliciosa e incomparável que é o cheiro do seu cangote. Me pergunto como uma organização suíça tão séria pôde ter cometido uma falha dessas…

Mas, sabe? Talvez seja melhor assim, sem muita gente saber desse tesouro.

Porque o cheiro do seu cangote vai muito além do óbvio cheiro de perfume bom antes de sair. Vai muito além do tradicional cheiro de pós banho enrolado na toalha branca. Vai muito além do meu suor preferido, cansado no fim do dia.

O cheiro do seu cangote é uma espécie de norte. Uma espécie de lar. Senti-lo é como voltar para casa, onde quer que eu esteja- rodoviária, fila do banco, sala de espera do dermatologista, não importa. Ele me abraça e me leva.

O cheiro do seu cangote é segurança.  É como sentir que ali- naquele instante de olfato- nada de ruim pode acontecer. É como me sentir revestida de um concreto que não pesa e que me encoraja a caminhar pelos caminhos que me inspiram dúvidas.

O cheiro do seu cangote é conforto. É cheiro de sofá à noite. Cheiro de coisa quentinha no frio e de janela aberta em noite de verão. Cheiro de almofada boa, de manta dividida. Cheiro de lanche na madrugada, cheiro dos nossos excessos.

O cheiro do seu cangote é combustível. É recarga no fim do dia. É o que me diz baixinho “continua, segue em frente, segura a onda”. É, ao mesmo tempo, motivação para sair toda manhã e razão para querer voltar para casa toda noite.

O cheiro do seu cangote é muito. É o que movimenta sem sair do lugar. O que aquece sem lã. O que abraça sem braços. O que desperta sem toque. O que consegue dizer tudo sem precisar de uma mísera palavra.

O cheiro do seu cangote é sorte. Sorte de só precisar do passado como lembrança e do futuro como hipótese. Porque o presente é aqui e é bom. E se o presente tem o cheiro do seu cangote… Eu não preciso de muito mais.

O cheiro do seu cangote é tanto, tanto. E é tanto por uma única razão. Porque é seu. Porque é você. E é você que é lar. Que é norte.  Que é conforto. Combustível. É você que é muito. É você que é sorte. Sorte minha de cada dia.

FONTEEstadão
TEXTO DERuth Manus
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS