Não existe amor mais sincero do que aquele pela comida!

Por Lara Brenner
Publicado originalmente da Revista Bula.

 

Comer nos faz viajar no tempo e no espaço. Toda infância tem um sabor que, quando rememorado, nos leva de volta à casa em que crescemos ou aos aposentos em que, escondido, a vovó dava biscoitos. Toda viagem oferece alguma comida típica que nos acorrentará eternamente a momentos de lembrança e euforia.

Pode observar. Os melhores negócios podem até ser assinados em reuniões formais, mas são discutidos em torno de mesa farta. Nenhum grande gestor pensa de estômago vazio. Se o fizer, desconfie. Gente que não come direito não merece lá muita confiança!

“Em casa, todos os caminhos levam à cozinha”, disse sabiamente José Alberto Braga. Não é por menos. A cozinha esconde a singularidades dos temperos, a beleza dos alimentos e a poesia das bebidas. É lá que se reúne a família, sempre de olho no fogão, enquanto ri das histórias passadas ou planeja a próxima viagem. É lá que amantes fazem planos para o futuro e trocadilhos maliciosos sedentos pelo aroma inebriante da comida que virá…

As comidas dão nome a tudo, até às pessoas e seus atos. Tem gente que é tão trouxa que é banana; outros, tão malandros que são laranja; tem até mulher que se diz melancia, melão, maçã… Haja fruta para tanta diversidade de gente!

A fome dos desfavorecidos nos apieda e une, enquanto a comida em excesso nos conduz ao pecado capital. Há que se ter meio termo, mas como obtê-lo diante desta variada motivação?

A comida está em cada capítulo importante da História. Foi pelo tempero que se descobriu a América, foi pelo açúcar que se desencadeou a migração forçada dos escravos africanos, foi em torno de uma mesa que Cristo reuniu seus apóstolos para a mais famosa ceia cristã.

Não é por menos! Comer se estende a tudo, a todas as áreas da vida. Devora-se livro, come-se alguém com os olhos, engole-se sapo, embriaga-se de paisagem, saboreia-se viagem… Nós, glutões natos e desesperados, mesmo sem saber, nos pomos a comer o tempo todo. Comer é viver e come-se para viver (ou vice-versa?)!

COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS