Não era amor…

Não era amor, mas você me lia, me decifrava, me desmistificava. Com você eu era eu mesma, não tinha máscara, não tinha fingimento, pudor ou vergonha.

Não tiveram promessas. Promessas criam expectativas e expectativas borram maquiagens e ferem a carne fraca.

Não tinha compromisso. Compromissos geram cobranças, desgastes e frustrações. Não tinha controle. Controle sufoca, reprime e repele.

Confesso que tiveram momentos em que achei que ia dar certo, que iríamos ficar juntos para sempre, mas aí seria amor…

E não era amor: era uma sorte, uma travessura, uma sacanagem…

Não era amor: eram dois celulares desligados, era inverno, era sem medo…

Não era amor: era simples, era quente, era descomplicado…

Não era amor: era sussurro ao pé do ouvido, era grito de liberdade…

Não era amor: era sono leve e um acordar agitado…

Não era amor: eram dois corpos colados e duas mentes vazias…

Não era amor: era uma mulher e um homem, simples assim…

Não era amor: era carne, sangue, química…

Não era amor: era alento, era calmaria, era um caminhar ao pôr do sol…

Não era amor: era esporádico, era desejável, era complementar…

Não era amor: era incomum, era livre de interpretações…

Não era amor: era só eu e você…

Não era amor, era muito melhor!

Escrito por Monika Jordão, colunista do Sábias Palavras.

Escritores4-01

FONTEMonika Jordão
TEXTO DEMonika Jordão
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS