Não aceite o que não faz sentido. Mude, mas faça do seu jeito

Por: Rebeca Bedone
Publicado originalmente da Revista Bula.

É uma sensação de esgotamento. Há desigualdade social e crise econômica por todos os cantos. Intolerância religiosa e extremismo político perto ou distante. Doenças e desastres ambientais chegam sem aviso prévio. Em meio a tudo isso, a cada ano que passa, parece que diminuem as horas dos dias. Vivemos sufocados-apressados-fadigados enquanto é doloroso não saber ao certo o que significa viver.

Também chega um momento na vida em que fica insuportável ser uma pessoa infalível. E, mesmo sendo virtuoso o ser humano que se doa sem querer algo em troca, em determinadas situações, não é egoísmo quando se decide dar ao outro somente o que ele merece receber de você. Tem gente que só sabe pedir e cobrar, mas não doa o seu tempo, a sua disposição e nem a sua paciência.

Afinal, pra que se dedicar com tanto afinco a quem nos ignora? Por que participar da hiporcrisia de manter as aparências enquanto está tudo desmoronando? De que vale entrar em “competições virtuais” para ver quem é mais feliz?

Prisioneiros da vaidade, esquecemos a realidade do mundo ao redor. Do camarote de nossas fraquezas, assistimos com frieza o pedinte implorar esmola sob o sol ardente; ignoramos o desconhecido que chora, pois não queremos chorar; e nos acostumamos às palavras que nunca são ditas.

É por isso que, vira e mexe, a gente perde a fé. Nessa impotência amarga, sofremos com o desapontamento de nós mesmos (por sermos covardes) e por aqueles que insistem em nos magoar; assim, deixamos de reparar nos pequenos milagres que acontecem todos os dias: a coragem e a bondade que resistem dentro da gente.

Para mudar, devemos aceitar as imperfeições, as incertezas e até mesmo as desilusões que nos rodeiam. Mas, para isso, é preciso ter o pensamento livre. Livre como a folha solta levada pelo vento e como a rosa que floresce na montanha. Livre como a voz de Elvis Presley ao cantar “My Way”.

Por isso, cante a sua vida do seu jeito: faça o que é para ser feito e saiba ter alguns arrependimentos. Planeje cada passo a ser dado e vá até o fim. Mas, também, deixe algo por fazer e se jogue na estrada sem destino certo. Ria e chore, ame e sofra. E, tudo aquilo que fizer, faça sendo você mesmo. Pois um homem é aquilo que ele tem, e se ele não tem a ele mesmo, então não tem nada.

Se amanhã será outro dia e todos os problemas continuarão iguais, hoje é dia de repensar: “nada que está ruim irá mudar se eu ficar apenas me lamentando”. Não cabe vigor em um peito sufocado. Às vezes, precisamos deixar para trás um projeto impossível para voltarmos a ter esperança. Ou, então, é necessário abrir mão de um amor mal resolvido para o dia nascer outra vez. Ganhar também é aprender a perder.

Por isso, não deixe nada paralisar a sua vontade de mudar. Abra essa armadura que sufoca as suas culpas. Saia do labirinto que prende a sua alma. Esqueça vozes vazias de sentido e alcance o voo dos libertos: sinta a catarse do seu espírito ao ser transmutado da morte para a vida.

COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS