Nada poderia ser melhor

Me apaixonei por ele. Foi totalmente sem querer. Em um dia o conheci, em outro, só conseguia pensar nele. Nem sabia ao certo porque passei a escrever tantas poesias depois que o vi jogando vôlei na praia. Nem mesmo me importei com o fato de estar escutando músicas melosas e românticas o tempo todo; ou de sorrir a todo instante como uma boba. A culpa não era minha e sim do sorriso dele. Lindo demais! Junto a isso, suas covinhas tão fofas, seu cabelo negro, seu corpo atlético, sua voz tão doce e sua boca carnuda que desejei tanto beijar logo que o vi pela primeira vez.

Não pense que sua beleza exterior era tudo. Além dela, me apaixonei também pelo seu caráter, por seus ideais e sonhos, que tanto combinavam com os meus. Como não se apaixonar por um deus grego que joga a bola para o lado e vem falar com você, andando como um galã de novela das oito, iluminado pelo sol de fim de tarde? Se alguém souber a resposta, por favor, não me conte. E quando ele me deu o maior susto aparecendo na minha casa num domingo de manhã? Eu estava na cama ainda, vestida com meu pijama de ursinho, o cabelo todo assanhado, necessitando urgentemente de um pente à prova de embaraços. Tive vontade de me esconder embaixo das cobertas. Mas o que ele fez? Me deu o melhor beijo de todos e disse: feliz aniversário, linda! Mais tarde, não senti vergonha nenhuma quando finalmente resolvi entregar para ele todas as poesias e textos românticos inspirados nele. Afinal, não tínhamos nada para esconder.

Conhecíamos até as piores manias um do outro, como o fato de ele adorar deixar os tênis sujos de areia jogados no meio da sala ou até mesmo minha mania de esquecer datas especiais. Me apaixonei por ele e continuo me apaixonando cada vez mais. Todos os dias de manhã quando o vejo deitado no sofá assistindo ao primeiro noticiário do dia; quando ele abre a porta do carro para mim; traz um presente mesmo sem ser meu aniversário; quando ele faz cócegas na minha barriga até eu implorar para que pare imediatamente; quando ele me olha de forma tão intensa, que sinto borboletinhas voarem pelo estômago. Quando ele é simplesmente ele.

Às vezes, ao entardecer, quando caminhamos de mãos dadas pela praia, fico imaginando que entre tantos outros, Deus pôs justamente ele em minha vida. Eu poderia muito bem ter ficado em casa assistindo TV ao invés de ir à praia e até mesmo ter ido embora mais cedo naquele dia, mas não fui. Poderia ter recusado seu convite para sair, mas não o fiz. Poderia ter fechado meu coração para o amor, mas o deixei aberto para ele entrar. E sabe por quê? Por que nada seria melhor que isso. Ninguém seria melhor que ele. E de alguma forma, meu coração já sabia disso, antes mesmo que eu descobrisse.

TEXTO DEEllen Araújo
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS