Migalhas não preenchem o coração. Quando não existe uma troca, não existe nada.

A gente tenta, insiste, faz de tudo e mais um pouco para que gostem de nós. Coração é desse jeito… É terra de ninguém. Mais dia, menos dia, alguém que está de passeio resolve ficar. Dorme uma noite, passa um fim de semana, um mês inteiro, e quando vê, já se mudou. É assim que o amor começa. E quando a gente assusta já está no meio, quem sabe, no fim.

Às vezes não chegamos nem na metade do caminho. Porque essa não era uma prioridade, porque não estávamos seguros do compromisso, porque a nossa solidão era melhor do que a companhia do outro. Talvez não fomos tão insistentes. Talvez tenhamos insistido demais, até ter a certeza de que não era para ser. Acontece que ninguém é obrigado a amar, e nem é justo amar por dois. Se não for amor, que seja paixão, desejo, amizade ou apenas vontade. Quando não existe uma troca, não existe nada.

Podem chamar de egoísmo. Eu chamo de amor próprio. Ou a gente se ama primeiro, ou nada feito. Aquele que não se valoriza e que não engrandece a própria presença jamais será enobrecido aos olhos dos outros.

Não existe um amor por obrigação que seja prazeroso e gratificante. Justamente porque o amor não combina com imposição. Ou os dois se amam e querem estar juntos, ou que fiquem cada um no seu canto, mas com a certeza consoladora de estarem obedecendo as próprias vontades.

Tem algo que é impossível: mandar em outros corações, ditar ordens e querer que sejam cumpridas de acordo com as próprias regras. No amor não se manda. Também não se implora por ele. O amor simplesmente acontece. E quando ele começa a ser pedido, cobrado, mendigado, o mais honesto a fazer é deixar partir. Seguiremos então os nossos caminhos junto daqueles que nos queiram, reconfortados pela sinceridade conosco e com o outro. A verdade é que não existe prazer em ser amado como um dever. Antes a solidão fiel do que a companhia submetida.

Sou a favor do compromisso com nós mesmos. Vivo sob as leis da reciprocidade. É por isso que não admito me doar inteira e receber apenas um pedaço. Entrego tudo e quero o seu tudo também. Com a mesma proporção e intensidade. Também não admito ser metade de ninguém que esteja completo. Porque não é justo. Porque ninguém merece pouca importância, pouco valor e pouco caso.

Migalhas não enchem a barriga e tampouco o coração.

 

FONTERevista Bula
TEXTO DEKaren Curi
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS