Liberdade é quando você decide não ficar com alguém só por ficar!

Liberdade é quando você decide não ficar com alguém só por ficar!
Por: Rebeca Bedone

Pronto. Passou o dia dos namorados e você não surtou porque está sozinho. É que já reconheceu que está só porque quer. Se quisesse apenas suprir a sua solidão, estaria com qualquer pessoa. Mas não, você não quer mais ficar com alguém só por ficar. Essa fase já passou.

Hoje você não quer se envolver com uma pessoa que só queira curtição e que não esteja disposta a ter algo mais sério contigo. Que não tenha interesse pelos seus pensamentos, pelas suas dúvidas e por seus segredos. Sim, você não tem mais medo da solidão. Você só deseja alguém que queira receber todo amor que existe dentro de você. E se isso for pedir muito, você continuará procurando.

Hoje você já nem se importa tanto por estar sozinho, pois sabe que essa é uma fase necessária na sua vida. O que te deixa entediado são as pessoas que se importam com isso. Aquela amiga da sua mãe que se lamenta por você não ter casado ainda — ou de novo —, ou aquela tia-avó que vive perguntando quando você terá um filho, “O tempo está passando…”, ela diz.

Sim, o tempo passa. Mas enquanto ele corre, você faz muitas coisas. Viaja, conhece novas pessoas e aprende o que nunca teria aprendido se não fosse destemido; mesmo não sendo fácil. Descobre que estar sozinho não é a mesma coisa que ser solitário. Quando você decidiu não ficar mais com alguém só por ficar, descobriu que é autossuficiente. Você não precisa de alguém para preencher o seu vazio, pois a sua felicidade está nos seus projetos, nas pessoas que estão próximas a você, no seu animal de estimação e nos seus sonhos. O que você deseja, realmente, é compartilhar essas coisas com alguém.

Mas vira e mexe dá uma saudade enorme de dormir de conchinha, de ter alguém para quem levar o café da manhã na cama e de receber uma ligação melosa no fim do dia. Nessas horas, você até se questiona se o seu caminho deve ser esse mesmo. Então, descobre que a liberdade tem seu preço.

Ser livre para amar e ser amado custa entendimento e coragem. Deixar o amor chegar espontaneamente pode causar espanto para quem tem pressa, mas traz leveza àquele que não se deixa aprisionar por expectativas alheias. Isso até parece coisa de gente complexa, mas, na verdade, é muito simples. A vontade de se sentir inteiro é muito maior do que se contentar com meias vontades. Como a meia atenção de alguém que nunca tem tempo para lhe escutar, ou o meio amor de quem está contigo somente por obrigação.

O que você quer é alguém que goste de você pelo que você é, e queira ficar do seu lado porque curte a sua companhia, ouve os seus delírios e ri das suas manias. Alguém que seja a inspiração para os seus poemas, aquela pessoa que entra na sua morada como entram as flores, a música e a poesia.

Alguém que seja livre e dê importância às conquistas do casal em conjunto e separados. Porque para ser feliz a dois, é preciso ser feliz em unidade, também. É preciso ter vida própria além da vida juntos. E amar um ao outro significa respeitar os amigos de infância, o futebol dele e a academia dela. Amar um ao outro é ter consciência das dificuldades e ter vontade de melhorar a cada dia. Amar é praticar o perdão e a paciência.

Acontece que, quanto mais o tempo passa e você se acostuma com a sua independência, mais inseguro você fica em relação ao amor. “Ele existe mesmo? Será que irei reconhecê-lo quando ele chegar?”

É por isso que você continua só.

Primeiro, porque você quer. Segundo, porque ainda não encontrou aquela pessoa que fará valer a pena deixar de estar sozinho.

COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS