Há dias em que te odeio, e outros em que morro de saudades tuas… Como se gere isso?

Hoje é mais um desses dias em que vou te procurar nos lugares onde fomos felizes os dois. Saio por aí e percorro os trajectos que serão para sempre só nossos, mesmo quando não caminhamos juntos, e a conclusão a que chego é que estás por toda a parte.

Desde as ruas da minha cidade, aquelas junto ao rio, às paredes brancas que desenham a nossa história e escondem os nossos segredos. Na mala levo a mesma energia de menina-mulher-furacão que te fez apaixonar um dia, e a esperança de que vais lá estar, no mesmo lugar, para onde eu volto sempre.

Hoje é mais um desses dias em que vou bater na tua porta, com a desculpa do acaso, quando ambos sabemos que não existem coincidências entre nós.

E tu sabes exactamente quando sou eu através da intensidade do toque e da timidez dos meus passos. E é então que me convidas para entrar, novamente, na tua vida.

Perguntas-me se estou bem e eu, que não sei dizer que não, sorrio enquanto reflicto sobre a possibilidade de termos ficado juntos para sempre.

O problema é que tu conheces-me demasiado bem para entenderes que me perco em sorrisos cada vez que estou perto de ti. E mais do que isso, conheces os meus silêncios e sabes de cor cada pensamento meu, e o significado de cada levantar de sobrancelha, e é também por isso que te odeio.

Mas que poderei eu dizer-te para além de “fomos feitos um para o outro mas a vida fez questão de nos separar”? Ou, então, que o destino vem baralhar isto tudo vezes sem conta, e que por mais que a gente tente se manter afastado um do outro, ele faz com que as nossas linhas nunca se tornem paralelas e se cruzem para sempre, mesmo quando eu não te procuro ou tu a mim.

É inevitável. Até mesmo nos dias em que te odeio, gosto sempre pelo menos um pouquinho de ti, porque são nesses dias que vejo que ainda há tanto de ti em mim.

Podemos fugir de tudo na vida, mas não podemos fugir ao nosso destino, e é no momento em que trocamos olhares que eu desejo que tu me agarres a mão e te lembres do que é nosso. Acredito que há um propósito para cada pessoa que cruza no nosso caminho e que um dia tudo fará sentido. Aqui ou em qualquer parte.

O amor nunca falha. Não é o que dizem?

COMPARTILHAR


RECOMENDAMOS