Futilidade é bom

BBB mal começou e já está gerando polêmica. Não é de hoje que é só chegar Janeiro para os pseudo intelectuais vomitarem seu repúdio.
Em qualquer esquina terá alguém para destilar todo o ódio do mundo por um simples programa de tv.
E o discurso é sempre o mesmo: é fútil, não acrescenta em nada, não tem cultura, e por aí vai.

Eu adoro gente inteligente, adoro conversas inteligentes, adoro tudo o que me deixa um pouco mais inteligente, porque sem modéstia, eu já sou inteligente pra caralho e um pouquinho mais é sempre bem vindo.
Mas sabe o que não suporto?
Gente chata, gente clichê.
E quer algo mais clichê e chato do que falar mal da futilidade?

Se para tudo na vida é preciso equilibrio, para a inteligência também.
Ninguém precisa passar 24 horas do dia apenas alimentando o cérebro para provar que tem um.
A diversão pela diversão faz bem para a saúde mental de qualquer pessoa, e não só faz bem, como é extremamente necessária.
É a água que não deixa que o motor esquente demais.

Futilidade é perda de tempo.
Sim, é.
E a melhor coisa do mundo é ter tempo para perder.
Infeliz da pessoa que não tem tempo para ela mesma, que não tem hora do dia dedicada às suas futilidades pessoais, ao seu riso descompromissado ou ao seu choro pré-adolescente.
Seja assistindo reality show ou novela, lendo o último livro da saga dos vampiros que brilham ou do bruxo adolescente, seja cuidando da própria aparência ou fazendo o que mais der vontade, porque quem decide o que fazer no seu tempo livre é você.

Enriqueça-se culturalmente, leia livros bons, assista bons programas na tv (porque eles ainda existem), tenha amigos diferenciados e que te acrescentem em algo, estude, aprenda algo novo, ouça boas músicas, conheça novos lugares e novos povos, aprenda uma nova língua, mas no fim do dia curta a sua futilidade pessoal, assista um enlatado americano, ouça uma música pobre, leia um best-seller e ria de uma piada suja.

Seja inteligente, seja fútil.
Seja o equilíbrio que seu corpo e sua mente precisam.
Seja a pessoa que consegue conversar desde com o chefe da sua empresa até com a faxineira.
Seja o que você é, sem medo, sem insegurança.
Não prove sua inteligência para ninguém, use-a.

FONTEDeu Ruim
TEXTO DEMarina Barbieri
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS