Eu quero um amor que seja bom pra mim

Acho que no fim das contas, nas somas e subtrações do coração, todo mundo quer um amor assim. Acontece que, o que é bom pra um, pode não ser bom para o outro, e aí está a mais difícil das equações: A do tipo amorosa.

Porque atração é coisa fácil de resolver. Expectativas se multiplicam com doses cavalares de encantamento, e quanto maior é o desejo, mais se inflama a paixão. E gente apaixonada é tudo igual! Quem não gosta das tais borboletas na barriga? Não somos bestas! Somos um tanto cegos, meio surdos, arrogantes, tontos, excessivamente confiantes, e um monte de coisas… Mas bestas, não!

Aí o romance engrena, botamos fé, tacamos lenha na fogueira, enchemos o tanque de combustível. Um empurra enquanto o outro dá a partida. E aos poucos nos despegamos da bruma da paixão… Até que um insiste em seguir adiante e o companheiro diz que precisa parar e descansar. Discutem se ir para a esquerda ou direita, se subir o morro ou descer a ladeira. Tudo parecia tão fácil! A rota já tinha sido traçada lá atrás. Por que isso, agora?

Um foi, o outro ficou. É sempre assim… O coração mais parece uma casa abandonada, dessas que o caminhão de mudança levou tudo embora e deixou apenas as lâmpadas sem os lustres, algumas caixas de papelão vazias pelos cantos, o chão sujo e aquela velha sensação de solidão e recomeço forçado.

Buscamos tanto e tantas coisas uns nos outros. Há quem queira a sorte de um amor tranquilo e àqueles que fariam de tudo por um amor louco. Procura-se banhos noturnos de chafariz, risadas por conta das topadas e desgraças da vida, alguém leve para multiplicar alegrias bobas. Em contrapartida, tem gente de olho num amor de fim de semana, do tipo que não divide casa, contas, nem cama. Enquanto uns anseiam por andar de mãos dadas e ter alguém para chamar seu, outros querem um cartão de crédito platinum, viagens de primeira classe e champanhe no café da manhã. Tem quem não ligue em compartilhar um amor, desde que lhe seja conveniente. Uns sonham com dormir de conchinha, fazer massagem, receber cafuné, plantar flores no jardim, cachorro latindo, crianças correndo.

Cada um tem a sua lista de requerimentos. Há de ser amante dos livros, interessado por MPB, gostar de cinema e pipoca no sofá em dia chuvoso. Não se esquecendo de ser esportista, bom cozinheiro, gostar de discutir relação e ser paciente com a TPM. Meu respeito aos mais diversos tópicos para preencher um coração solitário, mas eu busco, mesmo, um amor que seja bom pra mim. Bondade não nos olhos da submissão, mas que seja bom em conteúdo amplo e grandioso. Que me faça bem, que me queira bem, que me respeite e me admire. Um homem de bem que me cuide e que me ame.

Quero alguém de bom coração, de alma leve e sentimentos profundos, que queira dividir seu tempo e seus gostos, que venha para somar sorrisos e intimidades, que multiplique amor em cada gesto, nas mãos entrelaçadas e nos olhares cúmplices. É isso. Que o amor se multiplique, sobretudo em almas afins e disponíveis para amar.

Eu quero amor que seja bom pra mim. Vou procurar, eu vou até o fim…

FONTERevista Bula
TEXTO DEKaren Curi
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS