Eu errei.

Errei em não te procurar, mesmo com medo de te perder eu me alimentei de orgulho e fingi que não me importava mais. Errei por fingir que você não existia pra mim e por ter dado brecha pro tempo distanciar a gente. Você também errou, cê sabe disso. Você errou quando me mandou ir pro inferno e eu, ao invés de ter ficado e esperado a poeira abaixar, preferi correr dos teus braços. Errei quando rejeitei suas ligações achando que isso te deixaria nos meus pés e faria você correr atrás de mim e se importar comigo. Errei em achar que te tratar com indiferença te despertaria interesse. Errei quando achei que sumir da tua vida, iria te fazer sentir saudade de mim, quando na verdade, eu estava te dando motivos pra não mais me procurar.

Errei quando liguei pros seus amigos perguntando o que tinha acontecido com você, porque você não mais me atendia. Eles diziam que não sabiam o que estava acontecendo, só depois entendi que dei motivos pra que você se cansasse de me ligar. E lembrei que errei também quando atendi a sua ultima ligação e te pedi pra não mais me ligar, te pedi pra que me esquecesse de vez, te passei mil e uma coisas na cara e desliguei. Errei quando falei tudo o que não deveria e poupei em dizer que sentia muito por ter feito a gente chegar em tal ponto. Errei ao me calar quando tudo que eu deveria fazer era falar. Falar pra você o quanto a tua presença era importante em minha vida e o tanto de coisas que você me ensinou nos últimos dois anos.
Errei quando resolvi te procurar só quando a tua ausência começou a machucar, quando a saudade doía mais que a dor de cabeça da ressaca de segunda-feira que eu bebia pra tentar te esquecer. Errei quando deixei a impulsividade subir a cabeça e te mandei aquelas mensagens tentando justificar que a culpa por de não ter dado certo, foi sua. Errei quanto te insultei mesmo sabendo que a culpa era minha, que esse peso deveria ser dividido. Errei quando fui desleal com você, quando fingi que eu sempre fui a perfeição em pessoa, quando tentei pesar os seus erros para justificar os meus. Quando disse que você era a pior pessoa que eu havia conhecido, que estava arrependido por ter cruzado o teu caminho e errei também quando me lamentei, dizendo: ”maldita hora que eu fui te conhecer’‘, quando tudo que eu queria dizer era: ”bendita hora que eu fui me apaixonar por esse sorriso bobo e essa cara de assustada”. Errei quando insisti em ser um babaca, quando fingi que estava tudo bem, quando forcei a barra pra aparentar que você não fazia falta, quando tentei enganar a mim mesmo repetindo tantas vezes em minha mente: ”não a amo mais”, até confundir o meu coração ao ponto dele acreditar. Errei quando abri o seu perfil no facebook pra falar a você que sentia saudade e tudo que eu queria naquele momento era te ver sorrindo pra mim de novo, 
mas desisti de dizer porque você também poderia ter falado, você também poderia ter aparecido e apenas se calou, também se ausentou. Eu errei quando virei a cara ao te ver em um desses lugares que a gente costumava frequentar, quando fingi que você não foi nada na minha vida, quando tentei mostrar – entre um copo Vodka e outro – que eu estava firme e forte sem você, que você não me afetava, quando na verdade, por dentro de mim gritava o teu nome. Errei a partir do momento que te deixei partir, que abri mão de você e te deixei seguir um outro caminho. Quando deveríamos proteger um ao outro e você fugiu justamente por não se sentir mais segura ao meu lado. Quando te deixei ir enquanto o que eu realmente queria era que você ficasse. Errei também por ter ignorado o tempo, por não ter levado a sério quando você disse que estava se magoando demais. Eu errei e muita gente erra. E isso não é um pedido de ”volta pra mim”. É um sentimento sincero de: ”desculpas pelos absurdos que te disse”. Agora é tarde, seu sei. Pensei que esse jogo de esconder os meus reais sentimentos nos levaria a algum lugar, mas acabou nos levando a lugar algum.

FONTEIandê Albuquerque
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS