Enquanto dermos lugar a guerra nunca saberemos o valor da paz! Paris, Mariana mais uma dor a ser lamentada!

Escrito por Regiane Vieira, colaboradora do Sábias Palavras.

 

Enquanto dermos lugar a guerra nunca saberemos o valor da paz! Paris, Mariana mais uma dor a ser lamentada!

 

Sede de poder, tabus que jamais serão quebrados, religião acima de Deus, homens que se acham reis. Que metade do mundo se pinte de paris, que a outra metade saia gritando nas ruas a indignação por Mariana. Tragédias de comoção nacional, mas não diferentes das tantas outras que ocorrem diariamente, mas são tidas por valores irrelevâncias e até banal. O mundo está de luto, mas nem por isso se param as guerras, terrorismo é a demanda do mercado, e eles ditam quem é que devemos ser, como nos vestirmos, e até mesmo a que Deus seguir. Invadimos países que não são nossos para impor leis que achamos certas, do outro lado poluímos, desmatamos e matamos centenas, milhares e incontáveis animais, na sede de sempre ter mais e mais poluição, prédios e dinheirismo. Tudo para nosso conforto, tudo para nosso prazer. A natureza uma hora revida, e quando de fato acontece? O Brasil então grita, rasga suas vestes e pede por justiça. Poderíamos ter evitado, pintemos nossas caras de verde e amarelo, vamos para rua gritar ou muda a república ou paramos o brasil. São greves, fomes, nações mundialmente se odiando. O que é bom para mim já não é para você.

 

 

Adolf Hitler, Osama Bin Laden, 11 de setembro, Boate Kiss, Paris, Mariana, quantas tragédias ainda são necessárias para se notar que é o fim? Onde está o amor que muitos proclamam? Se bem que se tudo terminasse em amor talvez as coisas nunca terminassem.   Onde está a fé que muitos gritam possuir? Se realmente agradecêssemos a Deus o tanto que lhe pedimos com certeza estaríamos melhor. Enquanto o dinheiro for maior que valores morais, e o poder mais vasto do que uma família unida em um domingo de manhã, ainda teremos mortes, tragédias e dores no coração. Não adianta dizer que se compadece, e no primeiro ato de desumanização vais na sua rede social e discorre opiniões hipócritas defendendo apenas o seu ponto de vista. As últimas novas não são boas para nós que assistimos, mas porra somos apenas os espectadores.

 E os protagonistas dessa tragédia que não voltaram para seus lares? Pai que antes de sair de casa prometeu na volta levar algodão doce para sua filha. Mãe que disse que no final do expediente após passar no supermercado e comprar o cereal preferido do seu pequeno e mesmo depois de um longo e exaustivo dia de trabalho ajudaria seu menino com as tarefas escolares e uma história de ninar antes de dormir. Enquanto muitos fingem um luto coletivo, milhares de pessoas vivem a dor do luto verdadeiro, foram se pais, filhos, sobrinhos netos, amores de alguém, a inspiração de uma vida, e o que fazemos? Nos dividimos por classe, cor de pele, contas bancárias e quem fala fluentemente outra língua. E infelizmente nos perdemos em valores inversos e cada dia mais deixamos para trás nossa humanidade.

Paris, Mariana, meus mais sinceros votos de condolência, sua dor não será esquecida, e seus compatriotas não morreram em vão, se você em vez de entrar em uma discussão virtualmente para saber quem mais está sofrendo e sim levantar uma prece, uma oração, um pensamento a Deus e pedir, que cessem as guerras e que vença a paz, enchemos nossos corações de filosofias baratas e corrompemo-nos na primeira barganha para algo que realmente nos beneficiara. Que deixemos nosso ego de lado, quem sabe mais do que quem e em fim lutemos juntos por causas reais, problemas o mundo está cheio então que plantemos o bem sem olhar a quem, e que desarmemos a guerra com sorrisos, iguais o da inocência de um menino. Estamos de luto a muitos anos, pena que muitos se fazem cegos e não notam que já passamos do fim!

 

COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS