Ela é do tipo que acredita no amor, mas duvida que possa acontecer com ela.

Talvez nem seja tanto uma dúvida, talvez seja um medo de que na hora que acontecer ela simplesmente não saiba lidar. Ela ainda não aprendeu a lidar com tantas coisas.
Saudade, por exemplo.
Ela assiste sempre os mesmos filmes e chora em todas as cenas que já até sabe de cor. Às vezes sonha os mesmos sonhos com um sorriso que ela insiste em tentar apagar da memória, ela quer o diferente e porque não uma nova história?
Ela acha que ninguém liga e prefere se fazer de forte, foge de sentir, mas queria um pouco mais, só pra provar pra ela mesmo que sentir é coisa de gente de sorte.
Ela ainda sonha, ainda. E tem medo de acordar do nada, tem medo do susto e de olhar em volta e ver que amor, pra ela – só pra ela – não é uma coisa tão linda.
Ela se sente só, às vezes é inevitável, aí se agarra no travesseiro e pensa que só precisa de um abraço; outras vezes não quer ver ninguém, chega a pensar que sozinha se vira melhor, mas isso dura no máximo uma hora, outra história que ela sabe de cor.
Às vezes, poucas vezes, ela chega a se sentir invisível.
Eu vejo daqui aqueles olhos cansados e, nessa hora, dá vontade de te esconder em um abraço, te sorrir e mostrar:
Garota, você é incrível!
FONTEPapo Sincero
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS