Do real ao virtual – Martha Medeiros

Recentemente me perguntaram se eu acredito nos relacionamentos que iniciam por e-mail ou Facebook, sem conhecimento prévio um do outro. Sinceramente? É bom que todos acreditem, pois não são poucos os casais que travam o primeiro contato através da internet. Anda cada vez mais difícil um adulto conhecer um parceiro amoroso no bar, no parque ou numa festa, então os sites dão conta de providenciar os arranjos com mais presteza e ótimos resultados.

Se pra você o mais importante numa relação é ter afinidades, será fácil descobrir se elas existem. É esportista, intelectual, gosta de viajar, acorda cedo, vive na balada, qual o partido político, que séries prefere? Durante a troca de mensagens, você terá as informações preliminares que precisa.

E de quebra verá se seu interlocutor escreve bem. E se pensa bem. A inteligência (ou a falta dela) não demorará a aflorar.

Aparência física? Peça fotos, caso não haja suficientes no perfil do Face. É claro que seu pretendente mandará as melhores que tiver, mas, por mais cirurgicamente selecionadas, você terá ao menos uma ideia se está teclando com o Quasímodo ou com um primo distante do George Clooney.

A pessoa está parecendo perfeita demais? Bem-humorada, positiva, culta, um doce? Deve estar supervalorizando os próprios dotes, evidente, mas deixará escapar alguns detalhes imperfeitos. Você poderá intuir onde está se metendo.

Logo, acho bastante possível você não só iniciar uma relação virtual, como se empolgar verdadeiramente sem nunca ter colocado os olhos na criatura. Até o dia que coloca. E descobre que ela é realmente inteligente, bonita e tem tudo a ver com você. Mas… Pois é. Prepare-se para o “mas”.

Tem uma coisa que a relação virtual não alcança, apenas o convívio permite conhecer. E é justamente o fator mais importante, aquele que fará os sinos tocarem. Estou me referindo ao jeito da pessoa.

O jeito.

O jeito que ela caminha. O jeito que sorri. O jeito que fala. O jeito que olha.

E sendo mais específica: o jeito que mexe no cabelo, o jeito que segura o copo, o jeito que trata desconhecidos, o jeito que dirige, o jeito que beija, o jeito que desvia de assuntos constrangedores, o jeito que suspira, o jeito que se olha no espelho, o jeito que coça a barba, o jeito que arruma a alça do sutiã, o jeito que apoia o rosto na mão, o jeito que pisca os olhos, o jeito que retira os óculos, o jeito de abotoar a camisa, o jeito de gargalhar, o jeito de cruzar as pernas.

O currículo conta. As afinidades contam. Mas é o personalíssimo jeito de ser que irá provocar aquela paixão que não se explica. Ou o desencanto que também não.

Martha Medeiros Revista donna 17/04/2016

TEXTO DE Martha Medeiros
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS