Deita aqui

Levantei, são seis da manhã e tenho que ir trabalhar. Mesmo que seja quase impossível levantar da tua cama quente e do teu abraço. Te observo em sono profundo, com aquele teu jeito esquisito de dormir de que eu tanto gosto.

Vagarosamente saio do teu lado na tentativa de não te despertar e poder desfrutar um pouco mais de tua companhia silenciosa. Te ver dormindo é um dos prazeres das minhas manhãs. Quando acendo a luz, te acordo e grudo meus olhos nos teus, vejo ainda teu sorriso preguiçoso e resisto à tentação de deitar-me novamente ao seu lado. No travesseiro, meu cheiro ali ficará. Para que aproveite-o e mate a saudade que durante a semana crescerá.

Sei que odeia acordar cedo, eu também. Mas o dever me chama e eu sei que, quando voltar, teremos muitas noites para passarmos juntos. Nas noites frias, quero me enrolar no teu abraço e esquecer do mundo. Nas quentes, quero dormir sob o ar condicionado, tão somente abraçados, quase fundindo nossos corpos.

Nos despedimos já com saudade, sabendo que nossos próximos dias serão difíceis de se lidar. Mas que, com o apoio um do outro, estaremos sempre dispostos a enfrentar o monstro da responsabilidade durante a semana – pois no fim de semana deixamos tudo pra lá e entramos no nosso pequeno mundo, onde tudo é possível, até esse nosso amor complicado.

FONTEAmor Ano Zero
TEXTO DEAndressa Machado
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS