Controle não é amor

“Mas ele é ciumento assim porque tá cuidando do que é dele.”

“Mas ele sempre quer saber aonde você vai porque se preocupa.”

“Mas ele fica em cima assim porque não quer te perder.”

“Mas ele te controla porque te ama.”

Quantas dessas frases você já ouviu?
E quantas dessas você já concordou?
Não deveria.

Bem, eu vou ser aqui o seu amigo homem que fala as coisas que sua amiga mulher deveria falar, mas não fala.
E se você tem um amiga que fala, saiba: ela tem razão.

Um cara que te controla é alguém que não te respeita.
Que não te quer como você é, te quer como ele quer que você seja.

E nisso tenta censurar pequenas coisas, uma de cada vez.
Hoje é sua roupa, “tá vulgar, muda”.
Amanhã reclama que vai sair com as amigas, “e vai me largar sozinho”.
Depois reclama das suas amizades, “são más influências pra você”.
Então vai reclamar que ligou várias vezes e você demorou, “tava me traindo”.
E vai querer saber todos os seus passos, um a um, “tava me traindo com quem, sua p***?”

E você ir cedendo uma vez atrás da outra é onde o controle aumenta.
É onde você vai cedendo tentando agradar, achando que isso é ok.

Você cedeu tanto que agora vive numa relação baseada em controle.
Na maioria dos casos não tem volta, não tem como diminuir.
E qualquer passo fora do controle é motivo de histeria e brigas feias.

Controlar alguém não é amar. É ter posse.
É possessividade.
É te ver como um objeto, e ele é o dono.
É achar que deve obediência a ele.
É doença.

Se você tem ou teve uma relação assim entenda que isso não é saudável.
Não é bonitinho, não é fofo e não é romântico.
Não é pra cuidar, não é por carinho.
Nunca é por amor.

Existe uma coisa muito importante pra manter uma relação saudável.
Quase tão importante quanto sexo e conta do Netflix compartilhada.
E essa coisa é: individualidade.

Isso significa que eu posso ser eu mesmo.
Você pode ser você mesma.
E no meio do caminho a gente se aceita.
Se respeita.
Se completa.

Você me conheceu assim e gostou de mim assim.
Eu te conheci do seu jeito e me apaixonei por ele.
É muito bom ter a liberdade de sermos nós mesmos com quem a gente gosta.
Num mundo de pessoas cada vez mais superficiais e relações rasas, é fundamental que a gente tenha um porto seguro onde se sinta livre pra sermos reais.
Sendo nós mesmos a gente continua vivendo nossas vidas individuais com nossos amigos, nossas manias e nossos gostos.
E a gente se encaixa sempre que estivermos juntos. Encaixamos nossos amigos, nossas manias e nossos gostos.
Encaixamos nossas vidas.
Assim flui.

Seja você se limitando, seja você sendo limitada. É errado!
E pior, em todo caso a culpa é sua.
A responsabilidade de ser feliz primeiro é sua, depois (bem depois) de quem você deposita amor.
Então, vai continuar fingindo que tá tudo bem e nada escrito aqui faz sentido ou vai voltar a ser a pessoa incrível que pode ser?
Não depende dele. Só depende de você.

FONTEDeu Ruim
TEXTO DEHudson Baroni
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS