Como não criar expectativas

Você toma aquele banho caprichado, talvez se depile, arruma o cabelo, em alguns casos, passa maquiagem – uma hora antes do encontro, a pessoa desmarca. Isso é ser babaca. Agora vamos falar das situações da vida em que a gente, de antemão, cria cenários e vivências que ainda não ocorreram: por consequência, a gente (com o perdão da palavra) se fode.

Eu sei que você já conheceu aquela pessoa interessante, rolou uma paixão logo de cara e inconscientemente você já tinha imaginado os dois praticamente casando e cozinhando panquecas de manhãzinha só de roupa íntima. O problema é que não faz nem 48 horas que você conhece a pessoa.

Não negue, todos já passamos por essa loucura – inclusive eu, que, por mais que consiga analisar e explicar melhorias para relações pessoais amorosas, não faço necessariamente o que digo, assim como as pessoas também podem não o fazer.

Simples, a gente sabe que ciúmes não trazem benefícios pra uma relação (isso é sinal de possessão e não de amor), só que uma coisa é você entender algo que não lhe faz bem, outra é deixar de sentir – o mesmo acontece com a expectativa.

É só pensar num filme, livro ou seriado de que você goste muito, por mais que você saiba que tudo é ficção, isso não impede de você sentir diversas coisas enquanto o aprecia. Isso adentra também as nossas relações pessoais, já que a expectativa ela tem em parte uma forma de comportamento parecida com a nossa enquanto vivenciamos arte. É o Imaginário Ficcional [amoroso versão 2.0 Tinder].

E hoje é sábado, pós dia dos namorados, estou no meu quarto, aguardando minha amiga que dormiu em casa acordar pra fazer uma macarronada pra gente e, enquanto me espreguiçava um pouco mais cedo, descobri algo fascinante!

A gente pode talvez não ter controle total do ato de criar ou não expectativas, mas podemos controlar o grau de expectativa que criamos, ou seja, segura essa peruca de vez em quando E SE CONTROLA! Se você combinou de sair com aquelas amizades e você quer muito que a saída dê certo, ok, mas não já pense que aquele gatinho que você conheceu semana retrasada no tinder vai estar lá e que vocês estarão se beijando às duas da manhã.

Faça da sua expectativa da noite apenas: rir bastante com suas amizades e não beber muito.

É muito mais fácil criar expectativas daquilo que já é nossa realidade e que sabemos que já vivemos ou podemos viver novamente, como por exemplo, o sorriso sincero de uma amizade. Todo fruto dessa expectativa que excederá o imaginado anteriormente simplesmente satisfará cada vez mais sua pessoa durante a situação e não gerará frustrações.

E, como já disse antes, a gente pode até entender as coisas e o que seria melhor pra gente, mas não quer dizer que a gente vá segui-las ou deixar de sentir determinadas outras – creio que tenhamos que trabalhar de pouco em pouco nossas vivências sentimentais e crises internas, mas vale lembrar que nada acontece do dia pra noite, então jamais desista.

Não viva em realidades paralelas aonde pássaros vem lavar sua louça suja, muito menos fique se pressionando pra ser pé firme e nunca criar expectativas. Tente entender devagarinho como o seu eu funciona e decifre seu amor próprio com os pequenos dedilhares de conversas internas; com o tempo a gente descobre coisas fascinantes sobre a gente e quebra menos a cara.

Moral da história: não criei expectativas com a macarronada e meu jesus amado, ficou o melhor macarrão da minha vida e a foto de capa desse texto é do filme Les Amour Imaginaires, um triângulo amoroso feito de expectativas, assista.






COMENTÁRIOS