Como evitar as pessoas tóxicas que complicam nossa vida

Em nosso dia a dia, podemos cruzar com inúmeras personalidades ciumentas, imaturas, paranoicas, infantis e egoístas. Definitivamente, são o que comumente conhecemos como pessoas tóxicas.

Este tipo de personalidade pode ter muitas particularidades, mas mantém uma característica em comum: não contribui nem gera nada positivo  para um relacionamento amoroso, de amizade, familiar ou de trabalho.

As pessoas tóxicas se caracterizam por destruir qualquer tentativa de criar vínculos saudáveis e respeitosos para ambas as partes. Atraem e facilitam as más vibrações, já que nada as satisfaz. E, o mais importante, tudo lhes incomoda, e elas acabam absorvendo-nos psicologicamente, para que realizemos ações que só podem ser favoráveis a elas.

“Não são as ervas daninhas que afogam uma boa semente,

mas sim a negligência do fazendeiro”

– Confúcio –

Como lidar com pessoas tóxicas

O psicólogo Albert J. Bernstein, autor de “Vampiros Emocionais”, nos adverte que o mais complicado na hora de nos relacionarmos com esse tipo de pessoas é que elas roubam nossa energia sem nos dar um tempo para respirar e sermos conscientes dessa situação.

Bernstein destaca que elas se caracterizam por serem pessoas especialistas em construir relações com alto grau de “absorvência” e, dessa forma, são verdadeiros mestres da arte de intoxicar. Daí vem seu nome.

Devido a isso, acaba sendo difícil identificá-las a primeira vista, sem sermos conscientes de como sua personalidade é complicada, até que, depois de passar um tempo com estas pessoas, acabamos repetindo as mesmas emoções e sensações negativas delas: apatia, esgotamento, frustração e estresse.

Algo comum em nossa sociedade quando falamos desse tipo de pessoas é que, muitas vezes, somos nós mesmos que criamos uma percepção distinta da realidade, negando que sejam “vampiros emocionais”, sobretudo quando se trata de nosso parceiro, amigo ou algum familiar.

Inclusive, quando falamos dessas situações, nós mesmos podemos “nos culpar” por estarmos consentindo, inconscientemente, a situação e pensamos: “é coisa minha…” ou “pode ser minha culpa”; pensamentos que só nos levam a manter e intensificar uma relação tóxica e nada saudável.

Consentir tal mal-estar somente fará com que os demais percam o respeito por você, sabendo que podem se aproveitar de você e abusar de sua confiança.

Diversos estudos sociais, destacando a obra do psicanalista francês Dominique Barbier, “La fabrique de l’homme pervers,” nos facilitam uma explicação científica de porque vivemos como sociedade em um contexto próspero para a expansão e o crescimento deste tipo de personalidade tóxica.

“As personalidades tóxicas também são contagiosas e contribuem para que se generalize uma espécie de paranoia social”, explica Barbier. Por outro lado, a psiquiatra e psicanalista Marie-France Hirigoyen confirmou em uma entrevista ao El Confidencial a teoria social de que “para triunfar na vida é preciso ser um bom manipulador”.

Tudo isso nos leva a utilizar uns aos outros como meros instrumentos que, quando deixam de nos servir para conseguir determinados objetivos pessoais, acabam ignorados.

Porém, para gozar de uma plena qualidade de vida, devemos evitar chegar a esse ponto. Além disso, também é importante ter em conta os seguintes indícios que podem refletir que você se encontra ante um “vampiro emocional” a nível social e psicológico:

1. Apresentam uma elevada capacidade psicológica na hora de detectar os temores e fantasmas das pessoas que escolhem como vítimas. Podem fazer você acreditar que, com eles, tudo é possível e, assim, o manipulam com mais facilidade. Dessa forma,sabem adaptar com perfeição seu comportamento, dependendo da vítima em questão.

2. Podem dar a volta em uma situação com grande habilidade, realizando com perfeição uma falsa vitimização: fazendo você sentir que é você o carrasco e ela/ele é a vítima.

3. São pessoas especialistas em transformar a realidade através de mentiras e empregando uma dupla linguagem. Podem combinar o uso de insultos e adulações amáveis em uma mesma frase. Dessa forma, controlam o discurso e o pensamento do ouvinte.

4. Não respeitam a autonomia dos demais e impõem seus próprios critérios pessoais.

5. Seus princípios pessoais mudam dependendo do objetivo que precisam alcançar.

6. Não costumam sentir sentimento de culpa em nenhum momento.

7. São pessoas com uma grande capacidade de estratégia mental. São pouco criativos, mas constantes na hora de conseguir suas metas e recursos.

8. Costumam apresentar certa incoerência entre o seu comportamento e o que dizem ou verbalizam. Provavelmente, evitam julgamentos e valores altruístas, mas na hora de se colocar em ação, seus gestos são egoístas, pensando apenas em seu interesse pessoal.Como lidar com pessoas tóxicas

Não me despedirei sem antes lembrá-los de que, quando nos relacionamos com este tipo de pessoas, é necessário sermos conscientes da importância de empatizar e tentar entender nosso entorno a todo momento, oferecer amor incondicional, e ter em conta que todos nós somos seres humanos com vidas diferentes e únicas, as quais nos levam a agir de uma forma ou de outra.

A responsabilidade de tentar viver e se sentir de forma saudável e plena consigo mesmo e com o mundo está em suas mãos.

Texto original em espanhol de Paula Díaz.

FONTEA Mente É Maravilhosa
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS