Mas não demos certo.
O motivo? Sinceramente não sei.
Talvez tenha faltado coragem, vontade, atitude.
Talvez tenha sobrado orgulho, problemas, impedimentos.
Eu sabia que não havia possibilidades daquilo dar certo, desde o começo, mas sabe quando você consegue enxergar a pessoa por trás do que ela demonstra ser, atrás daquela máscara fútil do dia a dia? Então!

Eu não consegui ver amargura, porque conseguia enxergar o jeito doce, ainda que escondido pelas várias camadas de decepção que ela carregava.
Eu não via maldade, porque acreditava que a essência dela era tão boa que qualquer fiapo de coisas ruins, seriam supridas pela pureza daquele olhar.
Eu não sentia a ausência, porque cada minuto em sua companhia, valia mais que um dia distante.
Apesar de perceber muita coisa, que contribuiria para que tudo desse errado, a vontade de fazer dar certo foi maior.

Matei o meu orgulho, pra não viver na saudade.
Arrependimento? Nenhum!
Nunca fui do tipo que despreza pra conseguir afeto, do tipo que compete pra ver quem demonstra menos, do tipo que precisa ver a pessoa aos pés, pra olhar de cima, nunca tive medo do que vinha de fora, ou do que os outros pensariam.

Ainda acredito que cada momento com cada pessoa é único!
Se não deu certo, beleza.
Então guardo os momentos bons e sigo adiante.
A vida recolhe tudo de bom que fizemos e quando menos esperamos, ela retribui.

 

Escrito por Rafael.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS