Às vezes, ficar é ir longe demais

“E um dia, sem você esperar, me fui.

Sem despedida, sem aviso prévio, ou censuras

Porque às vezes, ficar é ir longe demais”

La Luz de Candela

Há momentos em que estamos dispostos a ficar, que faríamos qualquer coisa para ter razão para fazê-lo, mas que, no entanto, não temos outra escolha a não ser voar.

Dizer adeus é complicado, mas chame isso de questão de saúde emocional. Se quisermos manter as coisas da forma certa, devemos permitir que tudo mude. Ao dizermos adeus, nossa alma ecoa, mas é a única maneira de fechar a janela de dor, decepção e desilusão.

Às vezes na vida você tem que escolher, em outras a vida escolhe a ti

Quando a cobra tem que mudar sua pele velha, escolhe transitar sobre duas pedras adjacentes que lhe espremem e arranham, ajudando a eliminar a pele. Esta transição é dolorosa, mas ajuda a se livrar do velho para abrir caminho para o novo.

É o fim de um processo e o início de outro. E nessa passagem nós sofremos. No entanto, se nos recusarmos a atravessá-lo, a ansiedade aumenta, porque não estarmos liberando o que já não nos serve, não precisamos, nós não damos espaço para que algo novo nasça.

É normal resistirmos a dar este passo, mas é nítido que, quando nos atrevemos a dizer adeus, começamos a construir relacionamentos saudáveis ​​e positivos, e não sentimos esse vazio emocional que devora as entranhas. Além disso, começamos a valorizar de verdade as pessoas que merecem estar em nossa vida.


Deixar ir é deixar chegar

“Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos – não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora.”

Sonia Hurtado

É provável que ao dizer adeus algo dentro de você se rompa, mas esta é a única maneira de receber o que realmente vale a pena.

 






COMENTÁRIOS