Aos 20 anos X Aos 30 anos

Corpinho de 30 com disposição de 90.

 

Na semana que vem eu completo 28 anos. Antes que alguém diga: eu sei que estou a léguas de distância de estar “velha”. Eu sei que (se Deus quiser) não estou nem perto da metade da minha vida. Eu sei, eu sei, eu sei.

Mas o fato é que as coisas mudaram. E talvez, essa minha adorável faixa etária seja exatamente aquela na qual a gente se dá conta pela primeira vez de que o tempo passa. E passa rápido. A diferença entre os 10 e os 20 é muito maior do que a diferença entre os 20 e os 30. Mas aos 20 a gente simplesmente nem pensa nisso. Mas aos 30…

Na sexta passada, enquanto sentia meu sofá me puxar como areia movediça, batalhava para aceitar a ideia de colocar um vestido preto, um sapato de salto e ir para uma festa. E então comecei a pensar e algumas diferenças entre os 20 e os 30.

Tudo começa com a nossa visão sobre as noites de sexta, sábado e vésperas de feriado:

Aos 20: MEU DEUS, sexta feira e eu não tenho nada marcado à noite, socorro, como assim gente? Preciso marcar alguma coisa urgentemente.

Aos 30: MEU DEUS, sexta feira e eu tenho uma festa que começa dez da noite, socorro, como assim gente? Preciso arranjar um desculpa urgentemente.

É assim. Por isso a gente diz que se sente velho. Me lembrei de um sentimento parecido que tive na páscoa desse ano:

Aos 20 na páscoa: sair no sábado à noite, beber vodka barata, comer dogão, deitar 5:30, acordar bem para o almoço de páscoa, ganhar um milhão de chocolates, comer horrores, cochilar a tarde, pensar em sair à noitinha

Aos 30 na páscoa: comer um peixe no sábado à noite, deitar 23:30, fazer uma corrida no domingo de manhã, tomar uma taça de vinho no almoço, comer dois bombons, sentir culpa, sentir azia, sentir que vai morrer, olhar para a propaganda do gaviscon, sonhar com um gaviscon

A questão dos medicamentos para azia e má digestão que atuam na sua vida também é interessante:

Aos 20: oi?

Aos 30: eparema, engov, mylanta, eno limão, eno guaraná, eno abacaxi, eno normal, luftal, omeprazol, gaviscon, estomazil, epocler, maalox, peptozil, magnésia bisurada

As idas à farmácia mudam. As idas ao supermercado mudam.

Aos 20: preciso passar no mercado para comprar coisas para levar numa festa

Aos 30: preciso passar no mercado para ter coisas para comer, para não precisar ir comer em uma festa

As festas, por sinal, mudaram completamente.

Aos 20: aniversários e despedidas de amigos que iam morar fora. Festas em bares com música alta, baladas que começavam à meia noite ou churrascos que duravam 12 horas.

Aos 30: chá de uma porrada de coisa. Chá de bebê, chá de cozinha, chá de lingerie, chá bar. Quase todos começando às 17hs. Aniversários agora são em lugares em que a gente possa sentar e não costumam durar mais de 3 horas. Deus é grande. Guardamos nossa energia do bimestre para algum casamento (do qual teremos ressaca por 5 dias- além da dor na panturrilha porque descemos até o chão- “onde eu estava com a cabeça?”).

 

A noção de criança muda:

Aos 20: crianças são os meus primos e os irmãos mais novos dos meus amigos, não tenho nada a ver com isso

Aos 30: crianças são filhos dos meus amigos, filhos dos meus irmãos e, eu acho que semi tenho a ver com isso

Anteontem passei no shopping, entrei numa loja “jovem” e a história foi mais ou menos assim:

Aos 20: “nossa, que FOFA essa blusinha de 20 reais! Vou levar para usar no feriado.”

Aos 30: “gente, como veste isso? A cabeça entra onde? Fica barriga de fora? Então não. Melhor pegar esses 20 reais, juntar mais um pouco e comprar um vinho pro feriado.”

A convivência com o álcool muda TIPO MUITO:

Aos 20: ANIMAL a festa é open bar de cerveja, vodka com refrigerante, jurupinga e catuaba, vai ser MUITO BOA

Aos 30: eu vou FALECER se eu for nessa festa.

E quando você chega nas festas:

Aos 20: noooossa, vários gatinhos (as), mó bom esse DJ, adoro essa música do Avicci, vamos até o bar

Aos 30: Nossa. Eles não pedem documento pra essa molecada? Impossível eles terem 18. Tem onde sentar? Quem tá cantando? Ariana o que? Grande?

Mas, pessoas de 20, não pensem que é ruim. Quer dizer, a parte da azia e da má digestão é bem ruim sim, mas algumas coisas vão ficando bem melhores.

Várias séries. Poucas filas de baladas. Vários sofás. Poucas pessoas vomitando perto de você. Vários edredons. Pouca fumaça de cigarro. Vários vinhos. Pouca Smirnoff. Vários filmes. Pouca fila de banheiro. Vários pijamas lindos. Pouca saia curta com frio nas pernas. Vários livros. Poucas caixas de som fazendo tum tum tum. Vários queijos. Poucos dogões prensados. Vários travesseiros. Váááááários travesseiros. É uma coisa maravilhosa, vai por mim. Fora a azia e a má digestão.

FONTEEstadão
TEXTO DERuth Manus
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS