A razão porque os homens traem, escrito por um homem que traiu

Prometi a mim mesmo que nunca iria trair ninguém e ali estava eu a fazer algo que achava totalmente repugnante e que nem sabia que era alguma vez capaz de fazer.

 

Trair é mau. Todos sabemos isso. Todos sabemos que é uma coisa desonesta e ofensiva para se fazer a uma pessoa com quem partilhamos um relacionamento. Mesmo assim, as pessoas fazem-no sem consideração aos sentimentos da outra pessoa. Elas também não parecem preocupar-se com as consequências, na maior parte do tempo.

Como é que sei isso? Bem, eu já trai. Sim, isso torna-me uma pessoa de m*rda, eu sei. Contudo, permitam-me que me explique antes de me colocarem a bordo do comboio do ódio.

Não foi porque eu pensei que a minha namorada na época era uma má pessoa, e não foi porque não estava afim dela; não foi porque não a amava. Foi algo muito mais complexo que isso, algo que penso que muitas pessoas não compreendem. Por isso, aqui fica a minha melhor explicação do porquê de o ter feito e do porquê de acreditar que não estou sozinho:

Muitos, se não a maioria, dos homens são criaturas auto-conscientes que abrigam muitas inseguranças. Eu certamente sou, pelo menos. A história do porquê de ter traído não tem nada a ver com a minha namorada na altura, mas tudo a ver com um conflito interno que eu tenho a certeza que assombra muitos “traidores”: a noção que somos indesejáveis.

Muitas mulheres têm homens a atirar-se a elas todos os dias. Homens nas ruas, homens nos bares, homens online… Homens em todo o lado estão constantemente a atirar-se às mulheres na esperança de acasalarem com elas.

Enquanto muitas mulheres acham este tipo de comportamento ofensivo, ele transmite uma noção de conveniência de uma forma que muitos homens anseiam em experimentar.

De um modo geral, quando andamos na rua, ninguém nos elogia. Quando estamos num bar, é raro alguém se aproximar de nós e iniciar conversa com a intenção de nos agradar. A maioria das nossas actividades passam despercebidas durante o dia. É aí que reside o problema.

O que muitas mulheres têm dificuldade em entender é que, embora perceba que ter vários homens a lançarem constantes piropos seja irritante e indesejado, isso oferece uma forma de validação. Homens, por outros lado, raramente recebem esse tipo de validação. Isso é exactamente porque o fiz.

O problema de estar numa relação a longo termo é que só recebes esse tipo de validação da tua cara metade,e por vezes, não é o suficiente. Isso é especialmente verdade se a tua cara metade tiver dificuldades em expressar os seus sentimentos e desejos por ti.

Namorar uma mulher que tem esse tipo de dificuldade de expressão pode eventualmente causar transtornos. Isso pode levar com que te sintas indesejado e pouco ou nada sexy, o que provavelmente te levará a fazer algo que te arrependas. Foi assim que aconteceu comigo.

Eu namorava uma mulher que já não me fazia sentir especial. Eu sentia que não era desejado. Sentia-me nada sexy. Eu estava a passar por uma fase em que já não tinha a certeza se alguém voltaria sequer a olhar para mim, até que um dia… uma rapariga diferente mostrou interesse em mim.

Eu estava excitado. Senti-me óptimo. Finalmente senti a validação que não estava a ter da minha namorada na altura. Infelizmente, eu cedi ao desejo e fiz o impensável: eu traí. Depois senti-me para morrer. Não conseguia acreditar no que tinha acabado de fazer.

Prometi a mim mesmo que nunca iria trair ninguém e ali estava eu a fazer algo que achava totalmente repugnante e que nem sabia que era alguma vez capaz de fazer.

Eu dizia e dizia que se já não quisesses estar com alguém, devias simplesmente acabar a relação com a pessoa que namoravas. Mas, aqui estava eu, a viver a vida de um “traidor”. Não tinha ideia do que fazer depois. Fingia que nada tinha acontecido? Devo dizer à minha namorada? Acabo com ela?

No fim de contas, o meu relacionamento terminou. Eu pensei que era pelo melhor, mas na verdade não me trouxe qualquer alento. Eu tinha quebrado uma das minhas ideologias. Eu sentia-me fraco e cobarde. A única verdade que pensei que me ia trazer a validação que procurava, apenas me afundou no buraco onde me sentia uma má pessoa.

A lição importante que aprendi sobre “traidores” é que, na maioria do tempo, não é que a pessoa que trai seja infeliz com a outra pessoa, mas que a questão é sinónima de problemas internos.

Claro, existem pessoas que traem constantemente porque consideram que um relacionamento está acabado e têm muito medo de ter a conversa final. Claro, muitas pessoas simplesmente não gostam da pessoa com quem estão. Outras são pessoas frias que não têm qualquer respeito pelos sentimentos de ninguém.

Eu sei isto tudo: eu estava numa relação com uma namorada fantástica, que eu considerava ser super sexy.

Não era ela; era eu. Eu tinha problemas emocionais que não acreditava que ela conseguisse ajudar. Eu senti um vazio que achei que conseguia preencher se traísse. Infelizmente, esse vazio não foi preenchido e eu sai da situação embaraçado e humilhado.

Aprendi através dessa experiência que trair não ajuda, e eu jurei nunca voltar a fazê-lo. Embora as minhas subsequentes relações não tenham resultado, eu senti-me obrigado a cumprir a minha promessa. Eu não sei se alguma vez voltarei a trair novamente, mas certamente espero que não.

FONTECoffe e Break
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS