A paixão é passageira.

A paixão é passageira, perversa e angustiante quando não correspondida.. Outro dia eu quis tanto alguém que cogitei ir andando, era longe daqui, bem distante, desejei ter perna suficiente pra gastar até lá. Quantas vezes meus pensamentos correram léguas buscando achá-la num quarteirão qualquer. Refletia demais a imagem dela na minha cabeça, deu cansaço exagerado que mal conseguia descansar. Uma fraqueza profunda gerando minha insônia. Sem dormir, girava na cama como pião de madeira. Inquieto, impaciente, ansioso. Nenhum daqueles conselhos de amor próprio funcionava. Nem as músicas calmantes, nada. Eu sentia minha alma correndo pela casa enquanto meu corpo ficava deitado. O meu peito ardia na mesma temperatura que me causava a voz dela. Apesar de o calor ser igual, dessa vez doía, queria a frieza, e o fogo se alastrava pela minha respiração. De pião inquieto virei dragão cuspindo chamas de dor. Estas cenas me aconteceram diversas vezes por motivos diferentes. Alguns porque eu estava fora de cogitação na vida de quem eu queria. Seja por padrões de beleza, ideológicos, talvez poéticos. Outras porque a pessoa que eu gostava simplesmente se desfez. Era bela, leve, paz e mostrou-se um tornado de me agredir com palavras e silêncios. Nada foi bonito. Todas as vezes a angústia fora dilacerante. Chorei, comi mal, vivi caído. Há algo de proveitoso nisto? Eu estou vivo. Se tudo doeu ou doer, é sinal vital, ainda dá pra levantar da cama, largar a vitimização banal. Insistirão os cortes, eu sei. Você sabe. Vamos desse jeito mesmo. Desanimados. O dia só acontece quando você ultrapassa o sono e a preguiça, levanta, mesmo cambaleando e continua. Teremos temperatura revigorante. No entardecer já estaremos vendo um sol de esperança se pôr dentro de nós. A próxima noite, acredite, o máximo de nós a recordar um dragão serão as asas.

Compartilhe:

COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS