A noite em que você me acelerou

Um solo de guitarra toca no rádio e um número incontável de dados financeiros está na minha frente, cegando e destruindo qualquer ideia que passa pelo meu cérebro. Papel e caneta na minha mão e nada flui, nada vem, nada acontece, você já tomou conta de todos os meus pensamentos e eu já não consigo ser o mesmo quando fico assim, distante de você por tanto tempo.

Ah, se cada dado desses fosse um beijo seu, se ao invés de estar vidrado nessa tela de computador, eu estivesse vidrado no seu olhar, perdido na sua boca, louco para te beijar, Quem me dera se no lugar do cansaço desse escritório, eu estivesse ao seu lado, no calor do seu corpo.

Amor, vamos para casa? Eu saio daqui agora e passo aí para te buscar, sinto tanto a sua falta. Eu saio daqui e te espero na porta, dentro do carro, te espero aqui para que você volte a estar dentro de mim, do meu pensamento e dos meus desejos.

E é aí que você entra, deslumbrante como sempre, um sorriso e um beijo demorado com caricias trocadas, eu acelero, não vejo a hora de estar em casa rolando contigo pelo chão ou por todos aqueles lençóis que em breve estarão divididos entre o nosso suor e o nosso prazer. Eu acelero e não vejo a hora de estar lá.

Já chegamos?

Espera, ainda não ligamos o carro. Não, você acelerou o meu coração.

Escrito por Bryan Gabriel, colunista do Sábias Palavras.

FONTESábias Palavras
TEXTO DEBryan Gabriel
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS