A inveja prejudica muito mais quem a sente!

Muitos se alegram com as dores do outro. Contraditório? Não. Quando alguém não consegue uma vitória que havia buscado há uma solidariedade, por vezes, camuflada. É mais fácil ser solidário na dor do que se alegrar com as conquistas dos amigos.

Bom mesmo é sorrir com nossas conquistas e ver o olhar do outro querendo consumir, em prestações, a nossa felicidade. A inveja, talvez, tenha sua raiz na incapacidade que uma pessoa carrega em si de fazer a diferença a partir de suas próprias capacidades. Quando o jardim do outro parece mais bonito do que o nosso próprio jardim, passamos a vida a contemplar as flores que não nos pertencem. Assim, deixamos as nossas morrerem secas pela inveja que não nos permite cuidar de nossa própria vida.

Não é o elogio que faz o outro feliz, mas a capacidade que temos de cuidar de nossa própria vida e deixar que o outro siga seus próprios caminhos. Quem se preocupa demais com a vida alheia já não tem mais tempo de cuidar de suas próprias demandas existenciais. Em vez de contemplar sua própria face, enxerga sempre, no lago de seus pensamentos, o rosto da felicidade alheia. Perdeu seus olhos em um mundo que nunca será seu.

O tempo usado para vigiar a vida do outro seria muito mais bem aproveitado se a gente cuidasse da própria vida.

 

FONTESábias Palavras
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS