9 assuntos e atitudes para evitar no início do relacionamento

O início de um relacionamento é sempre um campo minado, pois todos querem agradar e mostrar o que têm de melhor. Na opinião da especialista Rosana Braga, autora do livro “10 Passos para um Amor de Verdade” (Editora Discovery), a espontaneidade é o maior afrodisíaco para conquistar de vez o par. “O começo do namoro é muito importante. É preciso saber se expor, mas de um jeito verdadeiro. Só assim é possível abrir espaço para encontros mais interessantes e evitar mal-entendidos futuros”, afirma. Para ter mais chances de sucesso, alguns assuntos não devem ser tratados nessa fase inicial. Veja a seguir nove deles, e preserve a si e ao parceiro.

 

“O EX”

Para o psicólogo Fred Mattos, autor de “Relacionamento para Leigos” (Alta Books), ao falar sobre parceiros do passado corre-se o risco de revelações indesejadas que podem criar fantasias de comparação –boas ou ruins. Porém, não é preciso fugir do assunto também. Se for algo pontual, sem problema, pois mostra que você resolveu bem o assunto. “O perigo está em despertar sentimentos de saudade ou mágoa que não precisam interferir no processo de conhecer e se abrir para uma nova pessoa. Quanto menos contaminar a próxima relação com a anterior, melhor”, fala.

 

REGRAS

Para a psicóloga Rosana Braga, criar regras indica que a pessoa tem um perfil controlador ou mesmo manipulador, o que revela insegurança. “Restrições devem ser tratadas com cuidado e para isso é preciso intimidade, confiança e, principalmente, coerência naquilo que é combinado, dependendo da disponibilidade de cada um”.

 

DINHEIRO

É comum a situação de ser convidado para algum lugar que não condiz com a sua situação financeira. Por isso, lembre-se de que não é porque a relação está começando que você é obrigado a aceitar todos os convites. “Tudo o que é dito e feito em um encontro revela quem a pessoa é. Quanto mais condizente com a realidade, maior será a chance de sucesso para o relacionamento”, fala a psicóloga Rosana Braga. Para Fred Mattos, autor de “Relacionamento para Leigos”, casais que evitam o assunto sofrem a vida inteira. “É um tema que causa mágoa e problemas para o futuro. Se uma das partes não está confortável a respeito, precisa de ajuda para compreender o motivo e resolvê-lo”.

 

FUTURO

Falar sobre casamento e filhos, por exemplo, logo de cara, pode demonstrar ansiedade e carência. No entanto, se surgir nas entrelinhas de alguma conversa, tudo bem expor a sua opinião. “O desespero de alguns acontece quando o outro surge com um roteiro pronto, no qual só é preciso um novo personagem para se encaixar na sua fantasia pessoal. Os planos surgem à medida que as necessidades respectivas aparecem e só chegam com a intimidade formada. Quem acelera o processo é visto como intimidador e não íntimo”, fala o psicólogo Fred Mattos.

 

FAMÍLIA E AMIGOS

Não há tempo mínimo para conhecer as pessoas mais importantes da vida do par. Mas, quanto menos interferência existir –e isso vale para qualquer tempo de relacionamento–, menos variáveis serão acrescentadas e esse é o ideal para o início, pois vocês estão se conhecendo. “Acontece de acordo com o desejo de cada um. Não há motivo para postergar nem antecipar. Quando isso se torna regra, como se houvesse uma cartilha a ser seguida, pode assustar”, afirma a psicóloga Rosana Braga.

 

DEIXAR RASTROS NA CASA DO PAR, COMO PIJAMA E ESCOVA DE DENTES

De acordo com o psicólogo Fred Mattos, autor de “Relacionamento para Leigos” (Alta Books), existem pessoas que aceleram o processo de conquistar espaço na vida do outro, o que pode ser um “tiro no pé”. “Às vezes, mesmo que seja um pedido do par, vale não aceitar para evidenciar respeito por um avanço gradual. Pode acontecer até de a pessoa que convidou se sentir aliviada, pois percebe que tentou apressar as coisas e que o bom é ver a relação crescer aos poucos”.

 

ABRIR MÃO DOS SEUS INTERESSES

Concessões fazem parte da construção de relacionamentos, mas viver a rotina do outro demonstra insegurança e falta de autoestima. Para Fred Mattos, esse é o crime número um do início das relações. “A pretexto de agradar o novo par, a pessoa sacrifica sua identidade.” Além disso, a psicóloga Rosana Braga diz que a individualidade e as diferenças enriquecem a relação. “É preciso encontrar equilíbrio para crescerem no relacionamento com respeito e gentileza”, afirma.

 

SEGREDOS FAMILIARES

Falar sobre problemas é sempre uma furada para o início da relação, pois a atenção deve estar no que há de melhor em você. “Jogar sobre o outro um pacote de dificuldades não é exatamente algo sedutor. Ninguém precisa ser perfeito, mas, para começar, assunto leves são mais aconselháveis”, fala a psicóloga Rosana Braga. Além disso, Fred Mattos diz que o casal precisa ter um verdadeiro sentido de “nós” para que certas revelações sejam compartilhadas. “Isso não é falta de transparência, mas é como começar apresentando a casa pela gaveta da bagunça”.

 

CIÚME

Se para uma relação constituída, o ciúme pode ser derradeiro, no início, vira motivo para um término precoce. Segundo a psicóloga Rosana Braga, um casal que tem episódios de crise no começo pode entrar em uma dinâmica perigosa e desenvolver um relacionamento obsessivo. “Pessoas bem resolvidas, maduras e que sabem o que querem não costumam gerar crises de qualquer tipo ao começarem a se relacionar”.
FONTEUOL Mulher
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS