5 péssimas lições que nos ensinam sobre a vida

Você pode olhar para o lado agora que, se estiver perto de alguém, essa pessoa com certeza terá alguma ‘lição fantástica’ para te ensinar sobre a vida. Não importa quem seja, a quantidade de experiência vivida ou a forma como vive, todo mundo acha que desvendou a vida.
O problema é que falar até papagaio fala. E nenhum papagaio faz realmente alguma ideia do que está falando. Então nem tudo o que nos é dito devemos levar como verdade absoluta sem nem ao menos questionar sobre. Na maior parte das vezes, um conselho que parece lindo na teoria é um verdadeiro desastre na prática.

Passei a vida ouvindo conselhos de mãe, pai, amiga, namorado, professora, irmão, desconhecidos, e basicamente qualquer um (qualquer um mesmo) que resolvia dividir comigo suas frases feitas que na maioria das vezes não passavam exatamente disso: frases feitas.
E de todas as lições furadas que já ouvi, aqui vão as 5 piores:

1- Ame a sua família

Sabe aquele primo que desde a infância sempre foi cruel com você e mesmo depois de adulto nunca cogitou parar?  Ou aquele tio que, apesar de tentarem abafar, todo mundo sabe que constantemente faz ‘brincadeirinhas’ abusivas com você? Ou então aquele irmão completamente mau caráter, corrupto, enganador e tudo mais de ruim que você vive se perguntando como pode ter nascido da mesma barriga que você?
Todo mundo tem alguém na família que se não tivesse calhado de ser um familiar, nunca escolheria ter por perto. Não se sinta mal por isso. Família não é uma escolha. Essa é a primeira e a maior aleatoriedade da vida de todos nós.
Caímos de paraquedas. E alguns dão uma sorte danada em cair numa família amorosa, unida e idônea. Enquanto outros, não tem a mesma sorte e caem numa bem longe dos comerciais de margarina.

Existe uma crença de que a família sempre estará ao seu lado, não importa o que aconteça. E é lindo nos contos de fada, mas infelizmente na vida real não é sempre assim que acontece.
Tenta precisar de dinheiro. Tenta cobrar uma dívida do passado. Tenta viver um estilo de vida que saia do considerado normal. Tenta não ser o que esperavam que você fosse. Tenta ser você mesmo. Tenta ver quem te estenderá a mão na hora em que você mais precisar.
Às vezes você só tem realmente os seus pais. Outras vezes nem isso. Às vezes a sua família são os seus amigos. Às vezes é o seu cachorro. Às vezes é só você mesmo.

Pense na pior pessoa que você já teve conhecimento. Um assassino sanguinário. Ou um ditador cruel. Ou, nivelando por baixo, um psicopata mentiroso e corrupto e sem escrupulosos. Pensou em alguém? Pois bem, até essa pessoa tem família. Até essa pessoa tem uma mãe, um pai, às vezes até conjugue e filhos.
Pessoas ruins também tem família. Às vezes a mesma que a nossa. E isso não deveria ser motivo para ninguém ser merecedor do seu amor.

Você não tem a obrigação de amar ninguém. Ame as pessoas pelo o que elas são, e não pela posição que elas ocupam.

Se a sua família é composta por pessoas que mesmo se não fossem seus familiares você ainda amaria de todo o seu coração, agradeça ao universo por ter conspirado a favor. Você teve sorte e ame-os ainda mais por isso.

A lição que realmente deveria ser ensinada:
Ame quem você quiser.

2- Antes de julgar, ponha-se no lugar do outro

Mesmo que você se bote no lugar de outra pessoa, ainda assim você não terá o direito de julgá-la, por um motivo que apesar de simples muitas vezes esquecemos: as pessoas são diferentes.

Nossas experiências são extremamente pessoais, assim como os resultados delas. Então por mais que você se bote no lugar de alguém e pense “eu agiria de forma X”, e essa forma pareça algo fácil, certo e óbvio para você, para a outra pessoa pode não parecer. Para ela, a forma óbvia de agir pode ser a “forma Y”. E não há problema nenhum nisso. Na maior parte das vezes, o certo e o errado são apenas conceitos que nem sempre são aplicáveis.
Nem sempre há uma única forma certa e todas as outras são erradas. Há apenas formas diferentes e nada mais que isso.

A forma como agimos e lidamos com as situações que nos são apresentadas, são fruto do que aprendemos com as experiências que tivemos na vida. Eu lido de uma forma. Você lida de outra. O coleguinha ao lado lida de uma terceira diferente da minha e da sua. Temos vidas diferentes, cabeças diferentes, pensamentos diferentes e consequentemente ações diferentes. Podemos até ter chegado num ponto em comum, mas os caminhos que percorremos até aqui foram completamente diferentes. 

Se você não sabe por quais guerras a outra pessoa lutou e/ou ainda luta, não julgue as armas que ela usa. Simples assim.

A lição que realmente deveria ser ensinada:
Não julgue. 

3- Você é especial

Você pode ser especial para os seus pais. Você pode ser especial para os seus amigos. Você pode ser especial para o seu cachorro. Mas sabe o quão especial você é para o mundo? Nadica de nada.

Existem pessoas especiais? Existem! Existem pessoas que mudam o rumo da história, da sociedade, da tecnologia, da geração. Existem pessoas que marcam o mundo. Existem pessoas que se transformam em lendas, em livros, em filmes, em estátuas. Existem pessoas que ganham prêmios, homenagens e prestígio eterno. Existem pessoas que são sim especiais, mas sabe qual é a chance de você, ou eu, fazermos parte desse seleto grupo? Sendo realista, nenhuma.
Antes que você fique com raiva de mim, saiba que só te digo isso pois é sempre bom nos lembrarmos da nossa insignificância para que não voemos muito pra fora da nossa própria realidade.

Quanto antes você descer do seu pedastal, melhor será para você mesmo. Mais fácil será enfrentar as frustrações e os nãos que a vida dá. Do contrário, ela te engolirá nos primeiros passos que você der para fora da sua zona de conforto.

Se você acredita que, de alguma forma, é melhor e mais especial que os outros (afinal se todo mundo fosse especial, ninguém seria especial), você acaba esperando um tratamento diferenciado da vida. Você espera que certas coisas simplesmente aconteçam para você, afinal, você acredita que merece aquilo, que é direito seu. Acredita que tudo te será entregue de presente diante de toda a maravilhosidade que você é. Acredita que o mundo gira para te agradar. Mas a verdade é que para o mundo você é apenas um pequeno, minusculo, insignificante e inútil grão de areia igual a todos os outros. E não há nada de errado nisso.

A partir do momento em que você percebe que é exatamente igual a todas as outras pessoas, deixa de ser tão egocêntrico, mimado, imaturo e dramático. Se torna um alguém melhor, mais pé no chão e empático. E ao invés de achar que as coisas te cairão no colo por um passe de mágica, aprende a ir atrás do que quer, a conquistar, a merecer exatamente aquilo que você se esforça para ter. Nem mais e nem menos que isso.

A lição que realmente deveria ser ensinada:
Você não é melhor do que ninguém. 

4- A adolêscencia é a melhor época da vida

O cacete que é! Sejamos sinceros, a adolescência é uma bela bosta. O seu corpo está mudando, os seus hormônios estão mudando, você está mudando, a forma como o mundo te trata está mudando. É tanta mudança que é difícil acompanhar, entender e lidar. Você não é mais criança, mas ainda não é adulto. Então não quer fazer coisas de criança mas ainda não pode fazer coisas de adulto. E ao mesmo tempo tem que lidar com os outros adolescentes, e todo mundo que já tenha passado pela adolescência sabe que adolescente é um bicho cruel. É nessa fase que o indivíduo está formando o seu caráter. Então até formar ele vai tomar muitas atitudes erradas, injustas e cruéis. E quem mais seria o alvo senão outro adolescente? A adolescência é uma selva. Se você não é o caçador, você é a caça.

Não pense que são pessoas ruins. São apenas adolescentes. E todo adolescente além de feio e desajeitado, é também idiota e inconsequente. 

Hoje em dia isso tudo é potencializado pela rapidez da internet. Todo celular tem câmera e 3G. Então uma idiotice feita por um adolescente hoje, que antigamente seria esquecida rapidamente, é compartilhada e eternizada pelas redes sociais. Aquele ato irá acompanhá-lo por toda a vida e será julgado por milhões de pessoas que adoram apontar o dedo para o outro mas se esquecem que também já foram adolescentes e também já cometeram idiotices.

Não importa se na sua época de adolescente você não cometeu aquela idiotice específica. Você já cometeu alguma. Então seja compreensível com o adolescente que a internet botou na berlinda dessa vez. Está sendo mais difícil pra ele agora do que foi pra você ontem.

O bom é que a adolescência uma hora acaba. Uma hora os seus hormônios se acalmam, as espinhas diminuem, o cabelo toma uma forma, o corpo para de mudar tanto, e a cabeça fica no lugar. Você amadurece, se torna uma pessoa mais responsável e gentil, e menos impulsiva e inconsequente. E uma hora o mundo para de tratar como o idiota que você realmente era. 

A lição que realmente deveria ser ensinada:
A adolescência passa.

5- Não confie em quem não gosta de bicho

Desde pequena fui criada com bichos em casa. Já tive cachorros, tartarugas, coelhos, hamsters, papagaios, periquitos e sempre que encontrava um passarinho ferido, levava pra casa e dava o nome de Bolinha 1, depois 2, e 3, e a geração nunca teve fim…
E sempre achei uma delícia. Sempre me senti a vontade perto dos animais e a morte de um bicho era como a morte de um familiar. Até hoje quando me lembro de alguns bichinhos que tive mas que morreram, as lágrimas de saudade são incontroláveis.
Bicho é tudo de bom. Mas essa é a minha opinião.

Gostar de bicho não faz de mim uma pessoa melhor do que alguém que não gosta. Não gostar de bicho não significa maltratar bicho. Significa que aquela pessoa não possui essa facilidade e esse gosto em comum comigo. Ela não odeia. Ela apenas não possui o sentimento de gostar. Mas ainda os respeita.

Uma pessoa que não gosta de bicho pode ser muito mais gentil e bondosa do que uma que gosta. Até Hitler, vegetariano extremista, era apaixonado por cachorro. E essa característica não fez dele uma pessoa boa.

Botar essa característica como critério para confiar em alguém é tão mesquinho, superficial e ineficaz que diz mais sobre você do que sobre a pessoa que você pré julga.
Você não tem o direito de impor as suas preferências e características pessoais como critério de absolutamente nada.
Seria como dizer que você não confia em quem não gosta de amarelo, apenas pelo fato de você gostar.
Ou que você não confia em quem é canhoto, apenas pelo fato de você ser destro.
Ou que você não confia em quem é gay, apenas pelo fato de você ser hetero.
Ou que você não confia em quem  não quer ter filhos, apenas pelo fato de você querer ter cinco.

Vê o quão ridículo isso é?
Não seja um babaca!

Os seus gostos não são verdades absolutas. Saiba respeitar.

A lição que realmente deveria ser ensinada:
Não confie em alguém baseado apenas em preferências em comum.

FONTEDeu Ruim
TEXTO DEMarina Barbieri
COMPARTILHAR





COMENTÁRIOS